A bordo | Cartagena 6 dias

Oi leitores viajantes, tudo bem?

Se você já está planejando ir para a Colômbia, nada melhor que aproveitar e juntar duas ou três cidades do país para visitar de uma vez só. Depois de três dias e meio em Bogotá, seguimos viagem até Cartagena, ou Cartagena das Índias, lugar costeiro banhado pelo marzão caribenho! Fica a cerca de uma hora de voo de Bogotá. 

Mais uma vez fomos de TAM e chegamos ao Aeroporto Internacional Rafael Nunez. Ele não é grande, são cerca de dez portões, você desembarca na própria pista. A cidade recebe muitos voos de cidades do Caribe e também do México. Pelo Brasil não há voo direto, todos eles passam por Bogotá. Saímos dos 14 graus da capital pra os 32 de Cartagena.



Com as malas em mãos, seguimos para o hotel. No aeroporto há um guichê de táxi onde você pode solicitar o seu transporte. Basta sair no desembarque e virar à esquerda. É fácil de achar. Em Cartagena não há taxímetro. O preço é tabelado. No nosso hotel, por exemplo, nos informaram que o preço de lá até a cidade murada era 7 mil pesos, mas algumas vezes pagávamos 8 mil. No único dia que choveu, o preço subiu para 10. Mas neste caso eu até entendo. Vou falar mais para baixo sobre isso.

Nos hospedamos no Dann Cartagena, um dos melhores hotéis em que já fiquei e por um custo x benefício maravilhoso. Optamos por ficar fora da cidade murada, onde os hotéis tem os preços mais elevados. Olhando os mapas dos sites de busca de acomodações, pode parecer que o bairro do hotel: El Laguito, extremidade de Cartagena, fica longe do centro, mas o acesso é muito fácil de carro e a pé são apenas uns 15 minutos.

Como chegamos na cidade por volta das 11 da manhã, a ideia era almoçar e já curtir um pouco da cidade. O problema é que fomos surpreendidos por uma piscina super convidativa do hotel e, claro, não resistimos.



O Dann tem uma estrutura excelente. Reservamos um quarto com vista para a praia e com varanda. Sensacional. Quarto espaçoso, TV, sofá e até cadeiras para sentar do lado de fora e curtir o pôr-do-sol. O hotel fica à beira mar, que você pode acessar por uma saída na área da piscina. É possível pegar toalhas também. Quando chegamos, nos ofereceram um welcome drink, o que também nos motivou a preferir a piscina à ir passear hahaha.

O café da manhã é típico colombiano, o que significa, basicamente, muitas frutas, ovo e um pouco de fritura. 

No final da tarde, fomos ao Café del Mar. Ele é super bem localizado, no alto dos muros da cidade, a poucos metros da praia. É o lugar preferido pelos turistas para ver o pôr-do-sol! E que pôr-do-sol! É de arrepiar! O único contra do restaurante é que os preços são beeem salgados e a carta de comidas é muito pequena. O Café del Mar é mais um local para tomar um drink enquanto admira a vista. Tanto que quando escurece começa a esvaziar.


DAY 2


No segundo dia fizemos o passeio até o Gente de Mar, um resort na Isla del Rosário.

Primeiro é preciso explicar o seguinte: apesar de Cartagena ser banhada pelo mar caribenho, as praias da cidade são apenas... praias. A areia é turva, a água está bem longe de ser aquela cristalina que imaginamos. Não significa que as praias são impróprias. Só que não tem nada de diferente nelas. Para encontrar esse ambiente caribenho das fotos do Google é preciso fazer o passeio para as ilhas. Nelas estão alguns resorts onde você pode pagar pelo day use e aproveitar um dia na praia com areia branquinha e mar turquesa.



Ainda em Bogotá entramos em contato com o Felix, da agência de turismo Cartagena E Brasil. Ele fala português fluentemente e, pela comodidade e flexibilidade, fechamos tudo com ele via whatssap. Descobrimos o Felix pelo TripAdvisor, ele é super recomendado lá. Para nós dois foi ótimo e deu muito certo. O Felix intermédia tudo por você, ou seja, você segue despreocupado na sua viagem de férias, basta estar no local combinado e voilá.

Para o Gel de Mar, um transporte do próprio resort nos buscou no hotel e nos levou até o pier. Era dia de semana, então estava tudo bem tranquilo. Fomos em uma lancha esportiva super confortável. É importante lembrar que, em qualquer passeio que se faça para as ilhas, o padrão é que eles durem de 10h às 15h. Isso porque o mar no final da tarde fica um pouco mais agitado 

Chegando no hotel, fomos recepcionados pela equipe que nos passou as instruções. Está incluso no day use: um welcome drink, o almoço (salada, arroz de coco, peixe frito e as famosas patacons colombianas) e, claro, o uso das instalações comuns. Caso você não coma peixe, basta avisar na chegada que prefere frango. O hotel tem muita coisa! Além das espreguiçadeiras na praia, há também quadra de vôlei, massagem, pingue-pongue, rede e algumas cadeiras que dão de frente para o pier.

O resort também oferece atividades pagas a parte como stand up, snorkel e massagem. Tudo dura cerca de uma hora. Bruno fez snorkel e eu fiquei relaxando na massagem. No snorkel, você segue de barco até uma área de mar aberto e pode observar a vida marinha. Ele adorou! Já eu, que não sei nadar, super recomendo os cuidados da Jéssica, massoterapeuta do Gente de Mar! Nossa, saí relaxada demais!

Certifiquem-se de que estão indo para os passeios nas ilhas com a expectativa correta. Cartagena é Cartagena e Punta Cana é Punta Cana. Cartagena é uma pequena jóia ali no inicio da área do Caribe. É injusto esperar encontrar por lá o que encontraria nos super resorts da República Domunicana. A faixa de areia do hotel é pequena, afinal é uma praia privada. Há ambulantes? Sim. Mas são pouquíssimos, todos autorizados pelo hotel. Basta dizer que não está interessado que eles não te incomodam. Muito diferente da praia de Cartagena onde coloquei meu pé na areia e fui seguida por um senhor que insistia para que eu alugasse com ele uma barraca e cadeira. Eu só queria ver como era a praia!! E outro detalhe, o tempo influencia na cor do mar. Então, se o dia estiver nublado, a cor da água não vai estar tão azul. Uma última dica: como falei acima, o tempo na ilha e de 10h às 15h, contando com o horário do almoço. Então, se você quiser fazer todas as atividades extras, pode ser que não sobre tempo para curtir o sol. Saiba administrar bem o tempo e priorize o que mais te interessa.


DAY 3

Nesse dia resolvemos, finalmente, conhecer a cidade murada. Que lugar encantador! Ela foi declarada Patrimônio Mundial da Unesco e é considerada a quarta maravilha da Colômbia.

Não é preciso roteiro. Vá e siga seus passos. Olhe cada casinha colorida com varanda florida e fotografe. Suba nas muralhas. Se sinta o Rei do Norte e admiire o horizonte. Falando assim parece que vai ser um passeio rápido, mas você gasta nessas andanças sem rumo facilmente umas três horas.

Cartagena é linda e cheia de cores. É preciso aproveitar, é um carinho para os olhos.




A) Torre do relógio / Parque del Centenário
B) Praça de la Aduanda
C) Igreja San Pedro Claver
D) Muralhas
E) Catedral de Cartagena
F) Plaza Santo Domingo
G)    Catedral de Cartagena

Nesse dia, logo no início da tarde, caiu um toró gigantesco em Cartagena. A cidade ficou totalmente alagada. Por isso, recomendo muito que vocês evitem as épocas chuvosas na cidade. Ela não tem estrutura. Ruas alagadas, pouco táxi e os que têm, cobram bem mais caro. Para vocês terem uma ideia até a noite ainda tinham algumas ruas alagadas.



A melhor época para visitar Cartagena é de janeiro à março. As chuvas começam a aumentar a partir de agosto, mas os piores meses são setembro e outubro. Entendam, lá faz sol e calor o ano inteiro! Mas as chuvas podem atrapalhar. Não quer dizer que chove o mês inteiro, mas se chover pode desanimar. Felizmente, esse foi o único dia chuvoso. Tirando um dia nublado, os demais fizeram muito sol!

Eu e Bruno ajudando o Jon Snow a proteger as Muralhas


Com o pé d'água que caiu, acabamos voltando para o hotel logo depois do almoço, que estendemos um pouco para nos proteger da chuva, e finalizamos este dia.


DAY 4

Tiramos o dia para visitar Getsemani.

A cidade murada é uma área totalmente voltada para o turismo, com hotéis, restaurantes, lojinhas, etc. Já Getsemani tem uma pegada mais popular. É um bairro residencial também conhecido pela sua boemia. Em um passado distante foi um local perigoso (não consigo imaginar como seria isso em Cartagena), mas atualmente é pulsante- e colorido -, como toda a cidade. Vale a pena visitar e se sentir ainda mais parte da cultura local.





Perto dali está o Castelo San Felipe de Barajas, um forte que teve importante papel em várias guerras naquela região e que é considerado a maior obra militar espanhola do Novo Mundo.

É necessário desviar de todos os vendedores de água que vão te abordar na porta. Mas, realmente, você vai precisar se hidratar para subir. O único jeito é a pé. O horário mais quente de Cartagena é quando começa a se aproximar do meio-dia. Por isso, escolhemos ir à tarde, após o almoço. Com o sol um pouco mais fraco, aguentamos ficar um bom tempo nos castelo. Ele também funciona como mirante e é possível ter uma vista panorâmica incrível de Cartagena.




DAY 5

Gostamos tanto do passeio ao Gente de Mar que acabamos repetindo. Desta vez o sol estava brilhando intensamente. Como era final de semana, a marina estava lotada! Muitos grupos de turistas, gente pra lá e pra cá. Apesar disso, não tivemos nenhum problema. Era uma bagunça organizada. Levou menos de 15 min para que o grupo do nosso resort estivesse reunido e fossemos acomodados na lancha. Dessa vez, uma com capacidade para 40 pessoas.




Minha dica é: se forem fazer o passeio para as ilhas, prefiram os dias de semana.


DAY 6

Para finalizar nossa estadia em Cartagena, fomos até o hotel Coralina.

Mais uma vez fechamos o passeio com o Felix. O espaço da Isla Coralina é menor, então o número de visitantes por dia é bem restrito. São quinze pessoas, apenas. Por ser um passeio mais fechado, muitas agências e até hotéis de Cartagena desconhecem este passeio, o que é uma pena.  A ilha fica a pouco mais de uma hora da cidade.

O trajeto é feito em uma lancha semi esportiva que sai de um pier mais afastado. Administrada por um simpático francês de coração cartagenense chamado Pierre, a Coralina tem um estilo rústico. Não há faixa de areia. São decks com espreguiçadeiras e futons bem de frente para o mar.


No day use está incluso o transporte, um welcome drink (vinho, nada mais europeu) e o almoço. A esposa do Pierre é a chef e lá você pode trocar o prato padrão por outras quatro opções bem sofisticadas. A comida é uma delicia, uma mistura perfeita entre a culinária colombiana com a francesa.
Ir para a Coralina é sinônimo de relaxar e o estilo do hotel é totalmente convidativo nesse sentido.  É de lá também o melhor Coco Loco que provei em Cartagena.

0 comentários:

Deixe seu comentário

Obrigada pela visita!
Todos os comentários deixados aqui serão carinhosamente retribuídos.
Para isso, basta deixar o endereço do seu blog!
Mas antes de comentar, lembre-se de que esse post foi feito
com muito carinho, então, se vai comentar
"oi, fiz postagem nova, me visita" ou fazer um comentário
apenas de divulgação, este não será aceito.
Obrigada pela compreensão!
Já está seguindo o blog no Google Friends? Então não perca tempo!