Resenha 369 | Talvez um dia

E aí, galera, beleza?

Às vezes fico me peguntando o que seria de mim sem essa mulher maravilhosa chamada Colleen Hoover. Sim, porque ela é perfeita e escreve como ninguém. Cada livro é um close mais certo que o anterior. E "Talvez um dia", meus amigos... que livro! Li em maio e estou de ressaca até hoje. Leiam a resenha e depois corram para ler o livro.

Título: Talvez Um Dia // Maybe Someday
Autor (a): Colleen Hoover
Páginas: 368
Editora: Galera Record




Sinopse: Aos vinte e dois anos de idade, Sydney está desfrutando de uma grande vida: Ela está na faculdade, trabalhando em um emprego estável, apaixonada por seu maravilhoso namorado, Hunter, e é colega de quarto de sua melhor amiga, Tori. Mas tudo muda quando ela descobre que Hunter está traindo ela e ela é forçada a decidir qual será seu próximo movimento. Logo, Sydney encontra-se fascinada por seu vizinho misterioso e atraente, Ridge. Ela não consegue tirar os olhos dele ou parar de ouvir o jeito que ele toca seu violão todas as noites em sua varanda. E há algo sobre Sydney que Ridge não consegue ignorar, também. Após seu encontro inevitável acontecer, Sydney e Ridge encontram-se necessitando um do outro em mais do que uma maneira.

Abrir um livro novo da Colleen Hoover é sempre uma caixinha de surpresa. Não que eu não saiba o que me aguarda. Em linhas gerais, sempre me preparo para uma história que apresente um bom casal de protagonistas em um embate profundamente balanceado entre o drama e o romance. Mas, a cada livro que leio ainda me surpreendo com a profundidade dos personagens, a beleza da escrita da Colleen (que parece sempre superar os limites da perfeição) e as lições que acabam ecoando na minha cabeça, mesmo que eu já tenha finalizado a leitura há semanas.

Em maio chegou às livrarias pela Galera Record “Talvez um dia”, livro que conta a história de Sydney. Sua vida vira de pernas para o ar quando descobre que seu namorado a traía com sua melhor amiga (e companheira de apartamento). Irritada e sem ter para onde ir, ela acaba aceitando o convite de Ridge para passar temporada em sua casa. Ridge mora no prédio ao lado e a música é o elo entre os dois. Ele toca violão todos os dias na varanda enquanto ela costuma acompanhar a melodia e, muitas vezes, rascunha algumas letras. Sem nunca terem se falado, mas cientes de suas presenças a poucos metros um do outro, Ridge toma a iniciativa e pede a ajuda de Syd. Ele é o compositor da banda do irmão, mas, graças a um bloqueio criativo, não consegue manter o ritmo de produção. Sydney é a solução que procura e pode ajudá-lo a dar vida às melodias.

Muito além de apenas um bom enredo, “Talvez um dia” dá aos personagens uma trilha sonora densa que os acompanha, literalmente, ao longo de toda a obra. Isso porque Colleen Hoover firmou parceria com o cantor e compositor Griffin Peterson e ambos compuseram as músicas presentes no livro. A sensibilidade de Colleen somada ao talento inegável de Peterson resulta em letras ternas que dão à “Talvez um dia” um inesquecível ritmo cadenciado com nuances do country music.

Foto: Lendo e esmaltando
A experiência é incrível. As músicas me ajudaram a mergulhar de cabeça no mundo de Syd e Ridge, como se os personagens existissem de verdade e estivessem bem ali, do meu lado. Impossível ler sem cantarolar ou ouvir as músicas sem relembrar o amor puro do casal. Está tudo intrinsecamente interligado. Destaque para “I’m in trouble”, que, assim como o título sugere, me deixou totalmente encrencada com este livro. Encrencada porque agora não consigo parar de pensar nele, que se tornou um dos melhores que li este ano. Encrencada porque o li em uma madrugada e já estou com saudades da história.

Sabe aquele aviso lá em cima de ressaca literária? Pois é. Depois de “Talvez um dia” foi muito (para não dizer) impossível, me apaixonar por outro livro.  Esta é, sem dúvida, uma das melhores histórias que li na vida. Posso ser suspeita para falar, uma vez que não nego o meu fascínio pela autora. Mas tá aí um livro que todo mundo deveria ler. Não sei se é o melhor da Colleen, porque eu também amo Sem Esperança, mas não consigo me lembrar de algum outro livro que tenha me deixado com uma ressaca tão ruim quanto este. 

É impressionante o quanto a Colleen consegue ser tocante e sincera no que ela escreve. Você esquece que está diante de uma história de ficção e quer, com toda a sua força, que tudo aquilo seja verdade. Ridge é fascinante.  Tá aí um livro que eu nunca vou esquecer. 

E as músicas? Estou escutando enquanto escrevo este texto, ao mesmo tempo em que acompanho a letra bem baixinho, para não atrapalhar as colegas da equipe.





2 comentários:

  1. Adorei a resenha !!! quero muito ler esse livro !
    www.cursoparatoefl.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oiii Kel

    Adoro livros assim, com playlist e tudo! Não sou muito de ler New Adult, sabe aqueles clichês tão usados no gênero? Me cansam facinho, porém, com a Colleeen sempre tenho boas experiências. Um Caso Perdido me fez chorar e esse Talvez um dia parece ser daqueles que te deixam pensando por dias... Com certeza será uma de minhas próximas leituras

    Beijos

    http://unbloglitteraire.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Todos os comentários deixados aqui serão carinhosamente retribuídos.
Para isso, basta deixar o endereço do seu blog!
Mas antes de comentar, lembre-se de que esse post foi feito
com muito carinho, então, se vai comentar
"oi, fiz postagem nova, me visita" ou fazer um comentário
apenas de divulgação, este não será aceito.
Obrigada pela compreensão!
Já está seguindo o blog no Google Friends? Então não perca tempo!