Resenha 344 | Trono de Vidro - Rainha das Sombras

Oi pessoal, tudo bem?

Hoje tem resenha da toda poderosa Sarah J Maas! Porque, sim, ela pode, minha gente. Essa mulher é demais e não canso de ficar abismada com o seu poder em fazer livro perfeito.

Título: Rainha das Sombras // Queen of Shadows
Autor: Sarah J Maas
Editora: Galera Record



Sinopse: Todos que Celaena Sardothien amou lhe foram tirados. Mas finalmente chegou a hora da retribuição. A vingança promete ser tão dura quanto o aço da Espada de Orynth — a espada de seu pai. Finalmente Celaena retornou ao império; por justiça, para resgatar seu reino e confrontar as sombras do passado. A assassina está morta. Ela abraçou a identidade de Aelin Galathynius, rainha de Terrasen. Mas antes de reclamar o trono, precisa lutar. E ela vai lutar. Por seu primo, a Puta de Adarlan, o general do Norte... um guerreiro preparado para morrer por sua soberana; por seu amigo Dorian, um príncipe preso em uma inimaginável prisão; por seu povo, escravizado por um rei cruel e à espera do retorno triunfante de sua líder; por seu carranam e a libertação da magia.

E aqui vem a suspeita para falar da série Trono de Vidro. Se eu pensei que o que era bom não poderia ficar melhor, lá vem a Sarah J Maas com o melhor livro da série (até agora) Rainha das Sombras. Quem leu o terceiro livro vai concordar comigo de que ele está bem longe de ser o melhor da série. É bom? É bom, mas é mais “parado” que os demais.

E então chegou o Rainha das Sombras! Que livro, amigos, que livros! Não confiem em quem fala que o livro é ruim. Apenas ignore essas pessoas. Este é o melhor da série.

Finalmente Aelin está de volta ao Forte da Fenda. Preparem-se porque ela tem muitas contas a acertar, começando por ele: Arobbyn, seu antigo mestre. Agora que ela sabe de tudo o que aconteceu e, finalmente (demorou, hein Aelin) enxergou quem o mestre dos assassinos é de verdade, ela fará de tudo para que os horrores do passado não fiquem esquecidos. Quem é fã da série sabe que este era um dos momentos mais esperados. Sarah não deixou por menos (obrigada, Sarah), nem Aelin.



Muitas peças vão se encaixando ao longo do livro e novos (e importantíssimos) personagens aparecem. Uma delas é Lyssandra, cortesã e escrava de Arobbyn. Ela é um antigo desafeto de Aelin, mas que nas atuais circunstancias e partilhando um passado doloroso, se tornaram incríveis aliadas.

A impressão que eu tenho da série Trono de Vidro é que ela foi minimamente pensada, cada detalhe, cada personagem tem a sua força e nenhum deles está ali por acaso. Nenhuma informação é insignificante. As bruxas que aparecem em alguns capítulo do terceiro livro tornam-se fundamentais neste quarto. Elas são o equilíbrio que faltava na batalha entre Aelin e o rei.

Outro detalhe importante é a própria Aelin. Por mais que seja difícil chamá-la deste jeito (me acostumei a chama-la de Celaena), a personagem deixou para trás, de vez, sua antiga identidade. Aelin é quem ela realmente é. Féerica, ainda mais forte e selvagem.  Rainha das Sombras é permeado por acordos inusitados, jogos políticos, impulsividade e, porque não, sensualidade? (Rowan <3)

Diante da iminente batalha de proporções épicas, Aelin reúne aqueles em quem mais confia para tentar matar o tirano e liberar a magia no reino. Aguardem cenas emocionantes com Dorian (ele me deixou com o coração na mão), a confirmação de que Chaol é um babaca e aceitem que Rowan será seu novo marido literário.

Em tempos de discussões de gênero, “Trono de Vidro” dá destaque para o papel da mulher na sociedade. Cada traço de Aelin é ampliado e combinado pela autora de forma magistral para criar uma personagem única. Aelin tem gênio forte e mostra que é possível ser dona do próprio destino, sem depender de ninguém. A personagem nada contra a corrente das mocinhas apáticas e mostra sua força, coragem e determinação.

A série “Trono de Vidro” é inspirada no conto da Cinderela. A princesa humilde ganha ares de assassina em busca de justiça. Esfregões, abóboras encantadas e a madrasta malvada dão lugar a um rei cruel que escondeu a magia do reino, duelos de tirar o fôlego e a uma protagonista com orelhas pontudas, sedenta por sangue.



6 comentários:

  1. Saudações Lady Kel,
    Minha palavra para esse livro é: NECESSIDADE
    Não consegui pegar ele ainda, e estou morrendo aos pouquinhos por isso!
    Acho que não estou emocionalmente pronta para ele HUAHAUHAUAHUAH a ressaca vai me pegar de jeito!
    Seu entusiasmo pela série é contagiante, principalmente porque sei que não é exagero hauhauahuahuaha é só amor demais!


    Resenha: Magimakia
    Resenha: A odisseia de Tibor Lobato
    Lançamentos Abril - Grupo Editorial Pensamento
    Confira ainda as promoções especiais para Bienal do Livro de Minas Gerais

    ResponderExcluir
  2. Kel, eu ainda não sabia que tinha inspiração em Cinderela! Isso pra mim foi completamente novo. Eu li a série até parte do segundo livro. Várias coisas nela me incomodaram, mas a história me cativou. É meio que "ah, problema que isso e isso me incomodou, eu quero saber como essa história termina" hahaha Mas estou deixando pra continuar a leitura em junho/julho.
    O que eu mais gostei na série são as personagens fortes. Nossa, não falta personagem pra gente se inspirar, né? Fiquei curiosa pra saber como é a Lyssandra. <3

    ResponderExcluir
  3. Kel,
    Você fala, fala e fala, mas ainda não consegui ler essa série! Eu adoro séries que se superam a cada volume, sem dúvida são as melhores! Também amo quando tem mulheres fortes, independente e dona do próprio destino!
    Mal espero para ler logo tudo!
    Beijos,
    Déia
    Own Mine

    ResponderExcluir
  4. Oi Kel nem preciso dizer que quero ler muito essa série a personagem com sua personalidade forte e fatal me atrai em todos os aspectos, portando em breve vou fazer a leitura desse livro. Bjkas

    ResponderExcluir
  5. Oi! É a 1ª vez que comento no seu blog. Tbm sou apaixonada pela série Trono de Vidro. Nunca fui TeamChaol (Até entendo o capitão, mas que tive vontade de socá-lo tive)Sou TeamRowan, mas Dorian vai ser sempre meu amado favorito, aliás ele virou meu calcanhar de Aquiles. (Tbm fiquei com o ♥ na mão por sua causa)Os personagens foram incríveis. (essas mulheres são mesmo fantásticas!) Manon foi lacradora! Queria comentar de cada um, mais vc sabe que é tanto vulco-vulco que não dá. Só posso dizer que o livro todo foi uma montanha russa de emoções, (mas nenhuma cena mexeu tanto c/o meu emocional quanto a ultima frase do capitulo 66). Desculpa pelo textão, mas essa série me empolga. Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  6. Oie Kel. Tudo bom?
    O que dizer dessa série que morro para ler e que até hoje não consegui? Eu fico curiosa para ler porque a história parece ter elementos minimamente pensados, características que fazem uma narrativa inesquecível. Além disso, foge do que costumo ler e por isso tenho mais curiosidade ainda.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Todos os comentários deixados aqui serão carinhosamente retribuídos.
Para isso, basta deixar o endereço do seu blog!
Mas antes de comentar, lembre-se de que esse post foi feito
com muito carinho, então, se vai comentar
"oi, fiz postagem nova, me visita" ou fazer um comentário
apenas de divulgação, este não será aceito.
Obrigada pela compreensão!
Já está seguindo o blog no Google Friends? Então não perca tempo!