# Resenha 270 // À Procura de Audrey

Oi bookaholics, tudo bem?

Espero que sim! Pois a resenha de hoje é sobre o novo livro da Sophie Kinsella, que desta vez, resolveu se aventurar pelo perigoso gênero Young Adult, trazendo à tona um assunto pesado e envolto em dúvidas. Então, vamos a resenha?

Título: À Procura de Audrey // Finding Audrey
Autor: Sophie Kinsella
Editora: Galera Record
Páginas: 336
Livro cedido em parceria com a editora 




Sinopse: Audrey, 14 anos, leva uma vida relativamente comum, até que começa a sofrer bullying na escola. Aos poucos, a menina perde completamente a vontade de estudar e conhecer novas pessoas. Sem coragem de sair de casa e escondida por um par de óculos escuros, a luz parece ter mesmo sumido de sua vida. Até que ela encontra Linus e aprende uma valiosa lição: mesmo perdida, uma pessoa pode encontrar o amor.







Audrey era uma menina como todas as outras: estudava, tinha amigas e vivia normalmente. Entretanto, um escândalo - mal explicado- na escola, fez com que ela manifestasse depressão e outros transtornos. A partir de então, Audrey sai da escola, começa a se isolar de tudo e de todos, passa a usar óculos escuros em todos os momentos e não consegue mais sair de casa. No momento, ela está passando por um difícil e doloroso processo de recuperação com a participação de sua família e de sua terapeuta, que aparentemente, virou a melhor amiga de Audrey fora de casa. Durante esse processo de recuperação, ela conhece Linus ( amigo de seu irmão ) e eles se tornam amigos e posteriormente, mais do que isso. Ao mesmo tempo, a mãe de Audrey tenta administrar a casa e criar seus filhos da melhor maneira possível.

Comecei a ler os livros da Sophie Kinsella recentemente, mas depois de ler " O Segredo de Emma Corrigan", virei fã da escrita da autora. Entretanto, " À procura de Audrey" é bem diferente dos chick-lits que a autora escreveu até então. O livro é do gênero Young Adult e tem como tema principal um assunto difícil e cheio de mistérios: a depressão infantil. Achei que Audrey foi bem construída e realmente reflete o que a autora quis mostrar: a realidade de uma adolescente com depressão. Os outros personagens, por sua vez, me pareceram bem forçados. A mãe é a leoa que tenta proteger seus filhos a qualquer custo, o pai é o capacho que aceita tudo que a esposa diz e o irmão mais velho de Audrey tem uma mente de um advogado de 50 anos preso em um corpo de 15. Sério, o menino deve ser superdotado...ninguém fala daquele jeito com 15 anos.  
“Episódios. Como se a depressão fosse um seriado de comédia, sempre com uma tirada hilária. Ou uma série de TV cheia de suspense e finais abertos. O único suspense em minha vida é ‘será que um dia vou conseguir me livrar dessa merda?’, e, pode acreditar, fica bem monótono.”




Para mim, um ponto forte do livro foi a capa, que ficou muito bonita e delicada. A história, por sua vez, não me agradou como pensei. Na verdade, achei bem maçante e arrastada. A parte que realmente deveria nos fazer pregar os olhos nas páginas, me deu sono. O livro todo foi meio que um anticlímax. Na hora em que pensei que finalmente aconteceria alguma coisa realmente importante, as coisas voltaram ao normal. Acho que isso aconteceu graças a recuperação de Audrey, que ocorre dentro dos padrões esperado, de forma gradativa e sem grandes surpresas. O romance entre a Audrey e o Linus é fofinho, mas nada fora do comum. Um ponto positivo do livro, foi o fato da autora narrar tudo da forma como a personagem narraria. Nós não estávamos exatamente dentro da cabeça da Audrey, pois não sabíamos o que a traumatizou ( por exemplo ), mas conseguíamos perceber traços de sua personalidade a medida que ela se mostrava mais, ou seja, era como se estivéssemos conversando com ela.

Enfim, em resumo prefiro a Sophie Kinsella nos chick-lits do que no Young Adult. Muito embora, "À Procura de Audrey" tenha um ponto positivo em relação a outros livros sobre o tema que já li: a história de Audrey te dá esperanças de dias melhores, mas não te engana quanto ao tempo que isso irá demandar e a dificuldade dessa empreitada. Muitos livros acabam glamorizando a depressão ou pior, fazem parecer que ter depressão é estar na situação mais degradante do universo. A autora conseguiu equilibrar os extremos e isso foi o melhor do livro.  


17 comentários:

  1. Oie
    Essa é minha leitura do momento e concordo com vc que a leitura é um pouco arrastada, eu ja estou quase uma semana lendo este livro e ainda na metade, quero acabar logo.
    Eu gostei da trama criada pela autora e do contexto, gostei dos personagens, mas parece que ainda falta algo...
    Gostei muito da sua resenha.

    Beijos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oiii
    Eu ainda não li nada da Sophie Kinsella,mas me falaram que ela e maravilhosa.
    Ainda não tive o prazer de poder ler esse,mas ele ja na minha lista de leitura.
    espero ter a oportunidade de ler ele em breve.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi, Natiane! Oi, Kel!

    Nunca li os livros da Sophie Kinsella, mas tenho curiosidade.
    Uma pena que este livro não tenha agradado tanto, parece que a autora faz mais sucesso no gênero chick-lit. Pelo menos a caracterização da personagem principal foi boa!
    Ótima resenha.

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. eu ainda não li nenhum livro da Kinsella sendo sincera? não senti vontade de ler esse...
    a menina que sofre bullying, mãe super protetora, pai capacho parece muito um monte de outros livros.
    sem falar que é muito estereotipo achar que depressão na infância adolescência é sempre causada por bullying (tá eu sei que vc não disse isso, mas só o fato de relacionar as duas já é muito estereotipo) ...
    enfim... acho que vou continuar sem conhecer a autora

    ResponderExcluir
  5. Oie Nati!!
    Eu ainda não conheço esse lado da Sophie pq só li dois chick lit dela, e são de se apaixonar. Estranho ver q ela não desenvolveu bem em um outro gênero, já q dá a ideia de quando o autor é bom ele pode se arriscar em qualquer texto. Q pena q com ela não foi assim. De qualquer forma achei interessante o tema central. Depressão infantil não é mesmo um tema muito debatido.
    bjo

    ResponderExcluir
  6. Estou louco para ler esse livro, os outros da Sophie não são muito meu gênero, então acho que se eu gostar da escrita dela neste (que parece envolver mais uma pitada de mistério), vou ler os outros. Abraços , adorei a resenha ^^

    ResponderExcluir
  7. Essa capa me mata <3 Pedi minha amiga para comprara para a bienal,e espero muito que ela consiga,eu quero muito ler ele até hoje varias pessoas me recomendaram,esse livro e meu crush do momento.
    Sabe qual e o "Aplicativo do Momento" fiz um post,falando tudo sobre ele, explicando como usar e mostrando como ele é super divertido. Ainda não conhece,basta clicar no link abaixo para saber tudo sobre ele.
    http://chanoinverno.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Natiane,
    Essa capa é tão bonita! Eu fiquei tão curiosa para saber desse escândalo!
    Acho esse tema interessante, depressão infantil. E fiquei com mais vontade ainda de ler o livro ao descobrir que se trata disso, pois nunca li nada em um livro até então. Você fez alguns elogios, o que me fez ainda mais querer conhecer de perto esse livro.
    Beijos, Tão doce e tão amarga.

    ResponderExcluir
  9. Ainda não li nenhum livro da autora, mas dizem que são muito bons. Esse pelo visto deixa a desejar. Embora seja um tema muito importante e que acontece muito. Coitada da Audrey de uma vida normal a uma depressão que é uma doença cruel.

    ResponderExcluir
  10. Oi Natiane, tudo bem? Só li "Fiquei com o seu número" da Sophie e realmente os chick-lit dela são maravilhosos, mas achei bem interessante ela sair da sua zona de conforto e escrever sobre algo bem diferente e é realmente um tema profundo e gostei da forma e a forma como ela retratou isso parece ter sido boa. É uma pena que a leitura foi maçante em alguns momentos e acabamos não entendendo o que levou a Audrey a desenvolver a depressão e tudo o mais.

    Beijinhos,

    Rafa

    ResponderExcluir
  11. Oi Nat!
    Sério?! Quando eu abri a resenha, pensei: Só vou ver críticas suuuper positivas.
    Confesso que fiquei um pouco triste pela Sophie ter tratado os personagens secundários com certo descaso. Porque estamos sempre acostumados com seus chick-lits a vermos personagens super cativantes e divertidos.
    Eu acho que esta temática de depressão adolescente bem legal ela querer explorar mais a fundo o assunto. Nunca li nenhum livro com este tema e parece ser bem legal.
    EU sou apaixonada por esta capa <3
    Beijocas!!
    umlugarparaleresonhar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Nunca tinha lido nada da Sophie apesar de sempre receber muitas recomendações. Quando vi que lançaria um livro sobre uma adolescente fiquei bem ansiosa para ler.
    Também achei a leitura um pouco maçante e alguns personagens secundários forçados, mas acho que o fato dela ter conseguido escrever sobre um tema difícil e a capa maravilhosa do livro já valeram a compra.

    ResponderExcluir
  13. da Kinsella eu só a série da Becky até hoje, e sei lá, não consigo imaginar a autora escrevendo em outro estilo ;x kkkkkk
    eu amo YA e livros que tratam de tramas mais pesadas assim...
    que pena que a trama não te agradou tanto.
    estou curiosa para ler ele, mas não tão empolgada como deveria. espero não me decepcionar ;x

    ResponderExcluir
  14. Eu amo os livros da Sophie Kinsella, ela é uma das minhas autoras preferidas! E estou bem curiosa pra ler esse livro dela. Mas é uma pena saber que o livro não te agradou tanto, e que alguns personagens são forçados... Mas ainda quero muito ler esse livro.
    Eu amei a capa *-*

    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Olá Natiane,
    Ainda não li nada da Sophie e achei que seria legal começar por esse livro, mas acho que não devo fazer isso.
    Gostei muito do fato de tratar sobre depressão infantil, pois é um tema muito pouco trabalhado, mas me 'decepcionei' um pouco por ser um livro arrastado. Infelizmente, não estou na vibe de ler livros assim, estou a procura de livros mais ágeis e rápidos, pois estou em uma ressaca. Mesmo assim, pretendo ler o livro um dia!
    Gostei muito da sua resenha e acho que ela abordou todos os temas importantes.
    Beijos
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  16. Oi Nati, ainda nao conheço a escrita da autora, acredita?! Mas muitas pessoas falam para eu dar uma oportunidade! Sendo este o primeiro YA dela acho interessante começar por ele ^^ Espero gostar! Acho muito legal a autora se aventurar por outro estilo ♥

    Beijos,
    Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  17. Quando vi o lançamento desse livro me surpreendi, pois já li alguns livros da Sophie e não imaginava ver ela escrevendo algo que não fosse chick lit. Achei curioso ver ela saindo de sua zona de conforto para se aventurar em um gênero que não tem nada a ver com o que está habituada.
    Vontade de ler esse livro não me falta e a capa está maravilhosa, adorei a combinação de cores e a ilustração. Mas acho uma pena que para você o livro não tenha te agradado como esperava, tendo ume leitura maçante e com personagens um tanto forçados.
    O tema abordado me interessou bastante, e ao que parece, a autora não criou ilusões sobre ele, como se da noite para o dia fosse algo que pudesse ser superado. Isso é um ponto positivo e a protagonista também, mesmo que o leitor só possa criar suposições sobre o que a levou a depressão.
    De toda forma, será interessante ver Sophie fora do mundo chick lit.
    Abraços

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Todos os comentários deixados aqui serão carinhosamente retribuídos.
Para isso, basta deixar o endereço do seu blog!
Mas antes de comentar, lembre-se de que esse post foi feito
com muito carinho, então, se vai comentar
"oi, fiz postagem nova, me visita" ou fazer um comentário
apenas de divulgação, este não será aceito.
Obrigada pela compreensão!
Já está seguindo o blog no Google Friends? Então não perca tempo!