# Papo Literário // Diário de Bordo da Bienal parte 2

Eeee, bienal acabou e vai deixar saudade. 

Ou não, porque, tenho que admitir que eu já to ficando meio velha para essas coisas huahuahuahuahua. Não conseguir andar em um pavilhão é meio surreal!

Hoje tem a última parte do meu diário de bordo com os últimos dias de Bienal.

No primeiro sábado da Bienal, eu estava de folga e foi o dia de conseguir encontrar melhor os amigos. Para ser sincera, encontrei poucos blogueiros, exceto aqueles que já são do Rio. Sábado teve Julia Quinn logo no inicio. Super fofa e simpática. Para minha enorme surpresa e satisfação, a distribuição de senhas este ano estava maravilhosa. Com um local especifico para a retirada das pulseiras, sem a necessidade de fila no estande das editoras. Achei maravilhoso.

E se na Bienal de 2013, no Sparks eu não vi um gradeado, acho que a deste ano teve um bom investimento nesta parte e fizeram um cercado para formar a fila. Claro, corre corre, sempre tem, e tem galera que chega 6 da manhã no RioCentro (para quem não é do Rio, trata-se de um local de eventos no meio do nada, incrivelmente longe e este ano, sem transporte adequado para chegar lá) para conseguir um autógrafo. Mas achei que foi muito mais organizado. O autógrafo da Julia foi rapidinho, ela conseguiu atender todas as mais de 300 pessoas em pouco mais de 2 horas e fomos para o bate papo.





























Ela é uma fofa, falou que nunca imaginava fazer o sucesso que tem, que ela mostra às vezes a reação dos fãs para a família e eles falam “o que? Isso é para você?” huahuahuahua. Ela disse que não tem um Bridgerton preferido, mas que adora a Lady Whistledown e disse que o Colin costuma ser o que tem mais fãs (eu, por exemplo). Ela contou uma curiosidade a respeito da morte do patriarca dos Bridgertons também. Para quem não sabe ele morre picado por uma abelha. A Julia contou que a mãe dela é enfermeira e que em uma loja de cachorro quente, ela viu o atendente se coçando e todo vermelho. O cara disse “ah, tudo bem, deve ter sido uma abelha” e a mãe falou para ele “você precisa ir ao médico agora, você está tendo uma séria reação alérgica.”. A ambulância chegou e a pessoa realmente era alérgica a picada de abelha e, se não tivesse um atendimento imediato, poderia ter morrido. A Julia brincou falando que ela e a mãe tiveram cachorros quentes de graça por um ano na loja do cara.

Sábado foi o dia de conseguir passar algum tempinho com as amigas blogueiras, mas acabávamos nos desencontrando ou nos dividindo várias vezes. Mas ainda assim deu para colocar um pouco do papo em dia, afinal, fazia um ano que não nos víamos, desde a última Bienal!

Sábado também foi o dia do Bruno me honrar com sua presença na Bienal, mas, sinceramente, não aguentei o vuco-vuco por muito tempo. Ainda mais porque eu ia voltar no dia seguinte. Saímos de lá relativamente cedo (para quem estava saindo 20h todos os dias) e fomos jantar.


Domingo (6)
No domingo teve mais Colleen Hoover e teve Eduardo Sporh que, mesmo sem lançar um livro novo há dois anos, ficou mais de 5 horas atendendo os fãs, conversando e dando autógrafos. Um fofo. Domingo foi um dia bem cansativo em que a Bienal estava extremamente cheia e ainda teve uma chuva beem chata. Acho que domingo foi o dia em que eu saio de lá mais esgotada. Aliás, estes dias de Bienal eu fiquei na casa da Dani, do Livros, a Janela da Imaginação. Mas domingo eu estava tão esgotada que precisei muito da minha cama huahuahua.


Segunda-feira  (7)


























Dia 7 foi feriado, mas aparentemente ninguém viajou e o Rio de Janeiro inteiro estava, em um dia chuvoso, na Bienal do Livro. Feira Lotada! Segunda foi o dia de mais Joseph Delaney, autor da série O Caça Feitiço e que jájá vai te resenha dele por aqui. Joseph é um fofo. Ficou 3h autografando e disse que foi o seu maior tempo de sessão de autógrafos. Ele adorou o Brasil e fez questão de deixar claro que não gostou muito da adaptação que fizeram do seu primeiro livro. O filme foi lançado no Brasil esse ano com o título de “O Sétimo Filho”. Ele falou que o filme teve uma boa bilheteria, mas não nos EUA, que é o termômetro de qualquer sucesso cinematográfico. Classificou o filme como “bom, mas não memorável”. E ficou muito emocionado com o carinho dos fãs. Mas, com certeza o momento mais engraçado foi quando falaram para ele fazer uma selfie e ele respondeu “não sei o que é isso, nunca fiz uma selfie na vida” huahuahuahuahua  #Fofo



Quinta-Feira (10)

Um dia mais tranquilo na Bienal. Deu para dar uma olhadinha nos outros estandes, mas para comer, não tina jeito e foi um sufoco mesmo. Dia de semana, normalmente, é dedicado às visitações escolares. Ônibus e mais ônibus de excursão de colégio. Turmas de crianças de 4 anos. O.o Corajosas essas professoras, em um lugar enorme como a Bienal do Livro eu ia morrer de medo de perder alguma criança. Na quinta, teve Sporh no espaço Cubovox para um bate papo e depois uma sessão de autografo no estande do Grupo Editorial Record. Na parte da noite, antes de ir embora, eu ainda encontrei ninguém menos que Josh Malerman de bobeira no estande da Intrinseca. <3 Vou falar que a foto de orelha do livro não faz jus a esta beleza de autor. Ele é super bonito. (e casado, gente)




Sábado (12)

Sábado teve mais bienal! Pensei e repensei se eu iria mesmo, mas resolvi ir só por causa da Sophie Kinsella, afinal, não é sempre que ela está no Brasil, mais especificamente, no Rio de Janeiro. Para minha imensa alegria, demorei apenas 1h 10 para chegar ao RioCentro IEI. E ainda garanti três livros dela autografados. No sábado eu fui só para a Sophie Kinsella, voltei logo depois, porque, né? Já tava bom de Bienal huahuahauhua.

Comparada com a de São Paulo, a Bienal do Rio é muito (muito) maior. São três pavilhões imensos onde os estandes são distribuídos. O grande acerto desse ano foi concentrar toda a praça de alimentação na área externa dos pavilhões. A ideia do food truck foi maravilhosa. Democrática, apesar de cara. Outro acerto foi a central de distribuição de senhas. Desafogou o tumulto do pavilhão, ficou bem mais organizado, assim como o fato de colocar os autógrafos na área externa também.

Mas o que precisa ser mudado é a simpatia e boa vontade das pessoas que trabalham na equipe da bienal. Ninguém sabe explicar nada, ninguém sabe onde é a entrada correta para expositor, ninguém sabe dizer onde fica o estande X, ninguém sabe onde ficam os caixas eletrônicos. Uma má vontade enorme e falta de treinamento. Nem vou reclamar dos preços, porque isso só vai aumentar mesmo. Mas outra coisa que poderia ser mudada é a dinâmica dos autógrafos e bate papos. No primeiro final de semana, na Julia, o autografo foi antes e depois o bate papo. Melhor impossível. Inverter causa transtorno. Porque? Porque nem todos os que estão na fila querem assistir ao bate papo, muitos preferem apenas o autógrafo. E eles precisam aguardar. Então tem gente que vai pro bate papo e acha que tem que ter prioridade. Tem gente que ficou pro autografo, formou fila no lugar errado e se acha no direito de ser a primeira a autografar. Como as senhas são distribuídas assim que a Bienal abre, muita gente estava aguardando a abertura dos portões sem comer ou ir ao banheiro, uma vez que você entra na área de autógrafos, você não pode mais sair e, no caso do bate papo ser antes, além de todo o desgaste do lado de fora, ainda precisa aguardar mais de uma hora para o inicio da sessão. Simplificar é mais. Com a Julia Quinn, a sessão de autógrafos começou assim que todas as senhas tinham sido distribuídas, poupou um desgaste. Acho que esse deveria ser o padrão.

22 comentários:

  1. Apesar dos pontos negativos, a Bienal realmente foi incrível! Adoraria estar no seu lugar e ver Julia Quinn de pertinho! O bate-papo deve ter sido ótimo.
    Fora ela você ainda teve a chance de encontrar outros autores incríveis, admito que ri aqui com a parte do selfie xD Até eu que odeio tirar fotos mais do que tudo nesse mundo sei o que é, mas no fim, foi mesmo algo fofo.
    E sério que criança de 4 anos estavam lá? Ok, eu não sei como as professoras lidaram com isso.
    Depois dessa semana você deve estar quebrada, mas valeu a pena diante do seu relato.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. andei meio afastada da internet nesses ultimos tempos, então os seus relatos da bienal é o primeiro que estou lendo. as senhas era uma das coisas que as pessoas mais reclamavam nos anos anteriores né... que bom que este ano foi melhor!
    sério que não teve transporte adequado este ano? sempre achava que neste quesito eles eram bons, porque realmente o negócio é longe né kkkkkk
    não li os livros da Julia ainda, mas tenho muita curiosidade. não sabia deste fato sobre a morte do personagens hahaha que legal! :P
    eu queria muuuuuuito ter ido só para ver a Colleen Hoover ;'(
    sabe que quando vejo essas turmas de escola nesses eventos também fico pensando nisso... como que nenhuma criança se perde na muntidão? hahaha
    também adoroo a Sophie Kinsella e queria muuuuito autografo dela tbm ;~~
    3 livros? ual *-*

    ResponderExcluir
  3. Oi Kel,
    Que bom que as coisas estavam mais organizadas em parte, apesar da falta de treinamento para as informações, rs. Julia Quinn parece ser muito simpática. Adorei as fotos!
    Beijos - Tão doce e tão amarga.

    ResponderExcluir
  4. Dever ter sido muito bom. Infelizmente moro muito longe daí e não foi possível participar desse evento grandioso.

    ResponderExcluir
  5. Fiquei morrendo de vontade de ir na Bienal e olha eu não tinha ideia do quão desorganizado pode ser...
    Aí Kel, depois de tudo que você falou da Julia Quinn, fiquei morrendo de vontade de ler algo dela. Quero ver se acho o priemeiro da coleção Bridgerton aqui na livraria perto de casa...
    Beijão!

    ResponderExcluir
  6. Oi Kel, tudo bem? Que pena que essa é a última parte! Gostei dos posts sobre a Bienal. Acho que eu nunca vi um escritor tão bonito quanto o Josh... Deu até uma vontade de ler Caixa de Pássaros... kkkkkkk Tenho que fazer planos para a Bienal do ano que vem... Espero que dê certo! Bjs

    ResponderExcluir
  7. Amei seu Diário de Bordo da Bienal!! Queria ter estado em seu lugar ;)
    Sem cometários de Julia Quinn. Ela é uma diva em todos os sentidos, e não podemos reclamar, né?
    Nem acredito que você encontrou esse gato do Josh Malerman. Se eu o encontrasse esqueceria desse detalhe de que ele é casado kkk #ui! Amei o trabalho dele nesse livro Caixa de Pássaros. Um dos meus livros preferidos.
    Que bom que desta vez a Bienal foi mais organizada. Ajudou bastante né? E já estou aguardando a resenha de O Caça Feitiço.
    Abçs Kel!!

    ResponderExcluir
  8. OI Kel!
    Vi várias pessoas dizerem que o Josh tava de bobeira lá, fiquei numa dó. E como assim mulher? Aquela foto dele na orelha está lindo!! Apesar de que nesta foto que vocês tiraram ele também tava um gato!
    Eu fiquei tipo babando de você ter pegado o autógrafo com a Sophie Kinsella.. Esses professores devem ter muito cuidado mesmo! Deve ser o maior tumulto.
    Ainda não tive a oportunidade de ir em uma Bienal, quero muito ter esta chance ainda. É nessas horas que morar em Minas é um saco! kkkk
    Beijos!!
    umlugarparaleresonhar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oi! O máximo para o leitor é encontrar os autores dos nosso livros preferidos né. Digo e repito, Babo muito nos relatos de quem foi a Bienal, tudo de bom mesmo, uma festa no mundo literário! Beijos!

    http://www.livrosepergaminhos.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  10. Oi! O máximo para o leitor é encontrar os autores dos nosso livros preferidos né. Digo e repito, Babo muito nos relatos de quem foi a Bienal, tudo de bom mesmo, uma festa no mundo literário! Beijos!

    http://www.livrosepergaminhos.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  11. Oi Kel!
    Aquela INVEJA gigantesca de você. Queria MUITO TER IDO A BIENAL. Todo ano esse mês é meu tormento, porque viajar de onde moro fica complicado, e por ainda não ta trabalhando, fica mais dificil ainda, mas estou na torcida para que ano que vem, na de São Paulo, dê certo, ou pelo menos assim desejo.
    Conhecer seu autor favorito não tem preço. Acompanhei sua felicidade pelo face :3 e queria muito ter ido porque queria conhecer a Leigh Bardugo pessoalmente, mas não foi desta vez, infelizmente :( Fica para um próxima

    PS: A indicação sua, comecei a ler Trono de Vidro, E ESTOU AMANDO <3

    Abraços
    David Andrade
    http://www.olimpicoliterario.com/

    ResponderExcluir
  12. eu fico vendo esses diarios e só faz ficar mais ansiosa pela bienal do ano que vem aqui em SP. Espero que usem o mesmo metodo para entrega de senhas. E mano Bienal é gostoso mas caansa...
    http://marifriend.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Eu queria muito ter ido na bienal esse ano, mas realmente não deu :(
    Esse ano só teve autores incríveis! Eu queria muito ter conhecido a Julia Quinn, a Colleen Hoover, a Leigh Bardugo e a Sophie Kinsella. Mas se eu tivesse conhecido só uma delas já estava muito feliz!
    É bom saber que a bienal esse ano já foi mais organizada, ano que vem eu pretendo ir, só é uma pena que a de SP é bem menor que a do Rio.
    Adorei o post :D
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Ola Raquel que maravilha estra com Julia, que se mostrou uma simpatia pelo que pude ver, sua Bienal foi maravilhosa acompanhei a outra postagem e morri de inveja kkkk. Ano que vem estarei em SP firme e forte. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  15. Olááá
    Que legal, queria tanto ter ido hahaha que bom que aproveitou e sou louca para ler Caixa de pássaros, deve ser ótimo. Com certeza vou na próxima bienal haha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Oi Kel, apesar de toda correria e canseira eu confesso que adorei todos os dias em que fui para lá, eu fico em casa 24hs por dia, por mais que trabalhe em freelancers, casa, família, essa rotina quebrada me deixou super feliz, ainda mais por receber vc em casa é sempre um prazer, a Bella adora essa tiaaaaaa moleca. Percebi que esse ano eles foram mais precavidos no quesito segurança, mas sempre tinha um desprovido que corria machucando os demais... complicado! Amei sua foto com Josh ele é 100% demais!
    Bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Gostei muito das postagens que você fez sobre a bienal.
    Queria muito ir, mas não pude. E com as suas postagens fico sabendo como foi.
    A parte que mais gostei foi a que você contou como foi conhecer a Julia Quinn e a Sophie Kinsella, pois seus livros são ótimos!

    ResponderExcluir
  18. Ei Kel,
    a bienal foi ótima mesmo, adorei te ver, mesmo que não tenhamos tido tanto tempo juntas, por que você é uma menina trabalhadora, rs. Eu também achei bem organizado a questão das filas, mas não fui na última, só conheço os boatos, rs. Até agora não acredito que conheci a Julia Quinn! Sou fã dessa mulher há muitos anos, rs.
    Queria ter conhecido o Josh, ele é gato mesmo, rs.
    Sobre a questão do pessoal que trabalha na bienal e das informações, realmente não era as melhores, e nem sempre era fácil se localizar lá por isso.
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Não fui à Bienal desse ano, na verdade acho que não irei mais à Bienal do Rio, o Riocentro é longe demais pra mim, cheguei a passar mal no trajeto em 2013. Mas achei bem legais essas inovações, principalmente o lugar separado para senhas e autógrafos. E acho que faz total sentido o que você disse sobre bate-papo e autógrafos, faria muito mais sentido sempre começar com os autógrafos, já que nem todo mundo tem interesse no bate-papo e muitas vezes não cabem mesmo todas as pessoas lá. Queria muito ter conhecido o Josh, pena que não deu.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  20. Olá Kel,
    Pelos comentários, achei a Bienal do Rio muito mais organizada que a de São Paulo.
    Infelizmente, não pude estar presente, mas posts como o seu, me fazem pensar que eu estava sim por lá. Adoraria ter conhecido a Julia Quinn e a Colleen Hoover, são autoras que adoro *-*
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  21. Até agora tô sofrendo com tudo o que vejo sobre a Bienal. Julia Quinn e Josh Lindo Malerman (pelo o que vi, ele é super simpático). Parece que você se divertiu muito, né? Mas também não tem como ser de outra forma, apesar das correrias. Bem que eu queria ter ido, mas vou ter que me aguentar atéaté a bienal de SP do ano que vem. Gostei de ver as fotos.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Oi Kel, tudo bem? Eu estava planejando ir na bienal, mas no fim eu não consegui ir. Um dos meus menos era ter que andar em uma cidade que não conheço nada e você falando que o lugar da bienal era isolado e de difícil acesso eu já percebi que ia me perder. Esse ano a bienal teve a presença de muitos autores bons e eu queria ter conseguido alguns autógrafos. Fora que também vi que muitos livros estavam bem baratos. Quem bom que você conseguiu aproveitar na medida do possível e que esse anos as coisas foram mais organizadas.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Todos os comentários deixados aqui serão carinhosamente retribuídos.
Para isso, basta deixar o endereço do seu blog!
Mas antes de comentar, lembre-se de que esse post foi feito
com muito carinho, então, se vai comentar
"oi, fiz postagem nova, me visita" ou fazer um comentário
apenas de divulgação, este não será aceito.
Obrigada pela compreensão!
Já está seguindo o blog no Google Friends? Então não perca tempo!