# Semana Especial Bloodliness // Alquimia

Olá pessoal!

Espero que estejam gostando do especial Bloodliness e, claro, que participem da nossa promoção para ganhar logo a série completa *-* Quem assina o post de hoje é a Sarita, do Endless Poem.


Seguimos com mais um post da Semana Bloodlines e claro, não poderíamos deixar de falar sobre uma coisa do universo da série, da vida da Syd que se entrelaça com o meu.


 Poucas pessoas sabem (mentira, todo mundo sabe) mas eu faço Farmácia já a quase dois anos. Eu me encontrei no meio de tanta fórmula química, de tanta reação, de tanta manipulação dos elementos, da terra, da água, do fogo (e do ar) em prol da ciência, do conhecimento, da busca por novas curas e tudo mais. A Syd também. Sua religião é a ciência, sua fé é entregue aos elementos e é uma das coisas que eu mais gosto no universo desse Spin Off. Como eu já contei para vocês nas outras resenhas e em todos os posts relacionados ao universo dessa história, a história se entrelaça com a série principal, Academia de Vampiros, mas não tem muito a ver. A gente consegue muito ler e se apaixonar por Bloodlines sem ter lido VA. E isso é muito verdade porque eu não li VA ainda (não me mata, Ana Luiza!) Bom, vamos contar um pouquinho da história da Farmácia pra vocês, um pouquinho dessa arte alquimista e desbravadora dos elementos em pleno século XXI (sou uma bruxa, será?)

"A história da farmácia remete à preocupação com a saúde, a doença, aos primeiros remédios, ao aparecimento dos medicamentos e ao surgimento do farmacêutico. Apresenta  vários períodos e cada um as suas inovações. Os textos antigos relatam o emprego das plantas e de substâncias de origem animal para fins curativos, desde o período Paleolítico ou idade da pedra lascada.  O mais antigo documento farmacêutico conhecido é uma tabuinha sumérica (tabela de argila) executada no terceiro milênio (2100 a.C.), contendo quinze receitas medicinais, descoberto em Nippur. 
O papiro mais importante da história da Farmácia é o papiro Ebers escrito por volta de 1500 a.C., espécie de manual destinado aos estudantes, que revela segredos de medicação. Esta verdadeira farmacopéia registra abundantes informações, contém 811 prescrições e menciona 700 remédios para distintas doenças, de mordida de serpente à febre puerperal, abrangendo uma grande variedade de temas médicos.

Na antiguidade, durante a busca dos alquimistas por formas de fabricar ouro e o elixir da vida eterna, eles acabaram por produzir óleos e resinas que foram considerados os primeiros remédios da humanidade. Muitos anos depois, surgiu a referência à botica, que era apenas uma caixa de madeira na qual se levavam os remédios. A origem das atividades relacionadas à farmácia se dá a partir do século X com as boticas ou apotecas, como eram conhecidas na época. A figura do apotecário ou boticário aparece nos conventos da França e Espanha, desempenhando o papel de médico e farmacêutico. Neste período, a medicina e a farmácia eram uma só profissão.
A evolução e desenvolvimento da farmácia, como atividade diferenciada, só aconteceria na Alexandria após um período de instabilidade marcado por guerras, epidemias e envenenamentos. A farmacologia ganhou grande impulso, principalmente no tratamento dos soldados abatidos nos campos de batalha. E a profissão farmacêutica separa-se da medicina ficando proibido ao médico ser proprietário de uma botica.

O grego Hipócrates marcou uma nova era para a cura quando sistematizou os grupos de medicamentos, dividindo-os em narcóticos, febrífugos e purgantes. Galeno escreveu bastante sobre farmácia e medicamentos, sendo considerado o "Pai da Farmácia". Sua grande contribuição foi a transformação da patologia humoral numa teoria racional e sistemática, em relação à qual se tornava necessário classificar os medicamentos.
Durante a 1ª Guerra Mundial (1914 -1919), desenvolve-se a terapia antimicrobiana com avanços significativos em quimioterapia, antibioticoterapia e imunoterapia. E no período da 2ª Guerra Mundial (1939 -1945), começaram as pesquisas sobre guerra química que resultaram no descobrimento dos primeiros anti-neoplásicos. As últimas décadas do século passado foram decisivas no descobrimento de fármacos a partir da aplicação de conceitos de genética molecular, genômica, proteômica e informática. A biotecnologia e a tecnologia farmacêutica emergiram como poderosos instrumentos para romper com os limites terapêuticos estabelecidos. "

Assim como a Sydney, eu também amo a ciência. Eu também adoro trabalhar como os alquimistas, descobrindo formulas importantes para a humanidade. Claro, eu não caço vampiros, não faço tratos com dampiros, não estou apaixonada por um, o que é uma pena. Mas a base que a Richelle utiliza para trazer esse universo para os livros para mim é muito mágica! Obrigada, Ri, por difundir a ciência na sua série e mostrar ao mundo que a fantasia pode sim, estar entrelaçada com a realidade!


13 comentários:

  1. Como assim você ainda não leu VA ? Corre para conferir, agora u.u Sempre gostei da Syd e admirei seu trabalho e admiro o trabalho dos farmacêuticos, vocês são incríveis! Então essa série irá me agradar ainda mais por gostar do Adam apenas não sendo par romântico da Rose, cada vez mais curiosa para saber mais sobre essa série incrível!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. nossa quanta informação.tenho apenas um livro da serie-o feitiço azul.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que legal. Adoro livros que envolvam alquimia, embora eu não entenda muita coisa e não faça farmácia. É bom saber que o autor entrelaça fantasia com realidade, porque aí tudo parece ainda mais real. Cada vez acho que essa série é mais incrível. E eu amo essas capas!

    ResponderExcluir
  4. No inicio não tinha gostado logo de cara, mas foi então que minha prima ganhou e não gostou de deu pra mim então eu fui ler e até agora estou gostando, quero saber mais dos outros livros quero alguns spoilers pra falar a verdade. Você tem que ler, estou amando os trabalhos do Syd. Ansiosa para comprar os próximos.

    ResponderExcluir
  5. Sarita va logo ler VA!! Eh claro que em va o foco é vampiro maaas se vc gosta de bloodlines vai gostar de VA tb!
    Não sabia muito sobre alquimistas e foi bem informativo o post, gostei!

    ResponderExcluir
  6. Bem, só de ver q o autor mistura realidade com fantasia, já me deixou bem interessada.
    Ainda não tenho nenhum livro dessa série e achei q vale a pena a leitura.
    Não sou muito amiga de química, mas essa parte da alquimia parece ser bem legal e no livro parece q é bem trabalhada.

    Já estão anotados!!!

    ResponderExcluir
  7. Oie.

    Nossa, eu entendo que não precisa ler VA para ler Bloodlines, mas ajuda demais entender melhor. Agora você está cheia de spoilers de VA. Gostei demais conhecer um pouco da farmácia e alquimia em seu post. Vamos que vamos, ainda no terceiro livro. Doida para o quinto.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Como diria o Hodge de TMI, todas as histórias são reais, então essa fantasia pode mesmo estar entrelaçada com a realidade.
    Enfim! Sarita que me perdoe, mas eu tenho implicância com farmacêuticos desde uma vez que precisei usar um shampoo específico que só era feito na farmácia de manipulação, e esse maldito shampoo destruiu meu cabelo eternamente, pois é... Desastre capilares à parte, acho muito bonito quando um protagonista tem paixão por algo, no caso da Syd, pela ciência. No meu caso, sempre que me deparo com um personagem assim, eu sempre acabo pesquisando mais sobre os assuntos que leio nas histórias. Afinal, todo tipo de conhecimento é válido.

    ResponderExcluir
  9. Caramba, não sabia que tinha isso tudo nessa série. Não tenho intenção de ler VA, então acho que essa seria uma leitura feita na normalidade.
    Tudo que Motiva

    ResponderExcluir
  10. Quem foi que disse que a gente não aprende nada lendo blogs, né? Eu acabei de ter uma aula sobre a origem dos boticários através da alquimia! Bem legal o texto. Cheio de informações. Valeu pela aula.
    Eu li o primeiro livro dessa série e fiquei meio perdida, porque não li Academia de Vampiros. Ai fui ver o filme e fiquei mais perdida ainda (e decepcionada, porque o negócio é pavoroso...). Mas a parte da alquimia é mesmo a melhor parte dessa série na minha opinião...
    =)

    ResponderExcluir
  11. Olá Sarita, muito legal acompanhar todo este enlace da série e saber que muita gente consegue se identificar com ela. Da muita vontade de começar hoje a série, mas ao contrario de você acho que leria primeiro a primeira série =D para não perder nenhum detalhe da mitologia ^^

    Beijos,
    Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  12. Que maneeeeiro toda uma história por trás então, hein!!!
    Aiii agora eu queeeero!!
    Sabe quem eu vi indicando essa série outro dia no face?? A Marina Carvalho!!!! Ela tbm é fã!!!
    bjuus

    ResponderExcluir
  13. Adorei esse post, a ideia que eu tinha dos alquimista era somente desa busca deles de transformar as coisas em ouro e do elixir da vida eterna,mas na verdade o legado deles é bem mais amplo.
    É bem interessante a Richelle trazer um pouco de ciencia para esse spin off, acho que em Academia de Vampiros nao tinha, torna a serie mais rica.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Todos os comentários deixados aqui serão carinhosamente retribuídos.
Para isso, basta deixar o endereço do seu blog!
Mas antes de comentar, lembre-se de que esse post foi feito
com muito carinho, então, se vai comentar
"oi, fiz postagem nova, me visita" ou fazer um comentário
apenas de divulgação, este não será aceito.
Obrigada pela compreensão!
Já está seguindo o blog no Google Friends? Então não perca tempo!