# Papo Literário // Traduções toscas

Oi pessoarrrr, tudo bem?

Hoje eu vim aqui para falar de algo que quase tira sangue dos nossos olhos!!! Hoje eu vim falar das traduções. Nada melhor que saber que aquele livro que você tanto queria foi, finalmente, lançado lá fora, e que em breve chegará aqui.

Você manda recado para a editora, pentelha até não poder mais só para que eles te deem uma data de quando será o lançamento. Você faz twittaço, clube do livro, etc. Mas ai... ai a editora anuncia que o livro chamado Mockingjay vai se chamar ESPERANÇA!!!




Porque fazer isso, gente? Qual a necessidade? Se você é daqueles que fica falando dos títulos absurdos de filmes traduzidos, fique sabendo que no mundo literário acontece a mesma coisa, ou pior!!!!

Para começar que, muitas vezes, só o simples fato de traduzir o título, por mais literal que seja, já estraga todo o sentido da história. É o caso de Hopeless, da diva Colleen Hoover, que virou Um Caso Perdido. Alô, Galera (literalmente), Hope + Less tem todo um significado muito maior que a palavra Hopeless, em si!! A tradução tirou a dualidade do título e diminuiu a graça. Porque não manter o título em inglês, já que é apenas uma palavra e vááários outros livros tem o título em inglês? (vide Teardrop, The 100...) O mesmo acontece com Fifity Shades Of Gray. A tradução foi tão, mas TÃO literal que traduziram o sobrenome do personagem (WHY, GOD, WHY?) que dava a dualidade ao título. 

Pode isso, Galvão?


No, no, no, no


Mas tem horas que o papo fica mais sério e as traduções, mais bizarras. 

Por exemplo: Darkly Dreaming Dexter virou Dexter – A mão esquerda de Deus
The Casual Vacancy virou Morte Súbita
Harry Potter and the Half Blood Prince virou Harry Potter e o Enigma do Príncipe (tentando entender essa lógica até hoje, porque né? Qual a necessidade?)
The Servant virou O Monge e o Executivo
Looking for Alaska virou QUEM É VOCÊ ALASCA? (gente, tem título pior que esse???? Ainda bem que John Green já tinha feito fama com ACEDE porque quem compra um livro com esse título tosco? SOCORRO)




E tem mais: 

Silver Linings Playbook virou O Lado Bom da Vida
Splintered virou O Lado Mais Sombrio
The Notebook virou O Diário de Uma Paixão
A Thousand Splendid Suns virou A Cidade do Sol
E por aí vai...

Sei que tem horas que uma tradução literal não fica tão sonoro, mas tem umas mudanças tão desnecessárias... 




36 comentários:

  1. Oi Kel!
    Traduções caóticas são o Ó. Algumas eu entendi, tipo The Casual Vacancy, porque daria trabalho manter 'vacância' quando nem todo mundo conhece o significado da palavra. Vacância Casual também seria meio estranho UHASUHASUHASUHASUHASUH
    Não sabia que A Mão Esquerda de Deus era tão diferente no original O_O e nem que A Cidade do Sol era algo tão não A Cidade do Sol!
    Igual 11 Homens e um Segredo, 12 Homens e Outro Segredo e 13 Homens e um Novo Segredo, queria entender quem chega a esses vereditos pras traduções UHASUHASUHASUHASUHASUHUHASUHAS
    Ótimo uso de gifs, aliás!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    http://blogsomaisum.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Isso é uma coisa que me irrita bastante mesmo, não só em livros como em filmes também.
    nunca tinha parado para pensar na quantidade tosca que tem, como vários ai que você citou... mas para mim o pior dos piores foi a tradução de Hopeless. acabou com o livro!!! ;'(

    ResponderExcluir
  3. Oiiiii Kel!
    Menina, acredita que nunca tinha reparado nisso?
    Cara, ri horrores!
    Quem será que faz isso? Deve ser o mesmo que traduz filmes?? Hhahahha

    Umas coisas que não tem nada a ver!!!!! Senhor!!!

    Beijinhos
    Sou eu... Pri!

    ResponderExcluir
  4. Oi! ^^
    Ah traduções... depois a gente prefere o original e eles reclamam...
    Você lembrou de Harry Potter, e o nome do pai do Harry que foi traduzido? Ninguém engoliu quando a Hermione mostrou a taça de Quadribol com o nome James Potter no filme lá vem a dublagem: Thiago Potter. Aí você vai conferir no livro e descobre que a zoeira começou lá!! Ah, porque traduzimos, para fazer adequação, para facilitar pras crianças... uhum... Kingsley Shacklebolt agradece por não ter sido traduzido! Assim como toda a família Weasley que não passou a se chamar Wesley! Nós também agradecemos, mas foi maldade o que fizeram com o James....

    Concordo com você, alguns títulos deviam ser deixados como estão.
    Depois "Breaking Bad: A Química do Mal" vira piada e eles acham ruim!!

    Adorei seu post!! Parabéns!!

    Beijusss;
    http://hipercriativa.blogspot.com.br/
    https://www.facebook.com/BlogMenteHipercriativa

    ResponderExcluir
  5. Geeeente, sério é tenso demais!
    Não dá pra entender!!! hahaha
    Esses tradutores estão de parabéns hein sóqnão


    Boutique de Clichês

    ResponderExcluir
  6. Essa questão é mesmo polêmica e confesso que até desisti de entender e de me aborrecer.
    Mas foi bom pensar no assunto. Como sempre você nos faz refletir sobre o mundo dos livros e dos leitores!!!
    Beijos

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
  7. Oi,Kel.

    Na hora que você postou eu conferi o post. Ri demais com ele pensando nessas traduções toscas que algumas editoras fazem. Hopeless realmente me deixou bem chateada. Quem lê o livro sabe que existe muito significado por trás do título do livro e Um caso perdido não diz quase nada. Monckingjay é um absurdo. Mas temos que conviver com isso. Abaixo a tradução de alguns títulos. Fiquei pensando aqui em Never Never da Colleen só falta chegar a nossas estantes como Nunca Diga Nunca. kkkk' Ugly Love, que medo. =/'

    Beijos.
    Visite: Paradise Books BR

    ResponderExcluir
  8. Oi Kel...
    haha rachei. É verdade mesmo. Algumas dessas traduções eu ainda nem conhecia o título original, e muitos deles é sem nexo, e sem noção mesmo.
    Ontem fiquei sabendo que A playlist de Hayden é Playlist of the dead, que seria A playlist dos mortos, um pouco diferente...mas né..

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oiee

    Bom eu não posso falar muito porque não entendo nada de inglês, quando preciso muito de algo tento recorrer ao Google Tradutor que por sinal não é muito diferente das traduções que saíram ai rsrs acho que vc deveria ter colocado o nome real em português para saber se era muito diferente kkkk com o meu inglês péssimo só entendi a diferença de um título "The Notebook virou O Diário de Uma Paixão" kkk

    Beijos

    www.livrosechocolatequente.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi Kel!
    Realmente algumas traduções (a maioria) ficam um caos. Lendo seu texto e as traduções, fiquei perguntando "qual o sentido disso tudo?" ... Qual é a dificuldade de fazer uma tradução decente?
    Chega a ser irritante....rs
    Beijos

    Li
    literalizandosonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Keeel!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk p variar, tô me divertindo horrores com seu post aqui!
    Gente sabe q eu n tinha parado p perceber as traduções em si? Só julgava pelo título nacional msm, e n pensava q títulos bizaros poderiam ser puro capricho das editoras hahahah =/

    ResponderExcluir
  12. Agora não consegui pensar em um nome bizarro de livro em portuguÊs (mas de filme tenho uma lista interminável). Sabe que O Lado Bom da Vida nem ficou tão ruim? Pelo menos eu aprendi que a expressão Look for the Silver Lining significa "procure o lado bom [da coisa]".
    Beijo!

    www.diarioquaseescritora.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oi Kel, tudo bem?
    Concordo com você! As editoras as vezes dão uma pirada na hora da tradução e nós ficamos tipo: "Como assim??".
    Sem falar na tradução da obra em si que as vezes é de chorar! Acho que um pouco de cuidado nessa hora não ia fazer mal a ninguém...rsrs

    Beijo :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  14. Já ri tanto... Morta! Ressuscitei só para rir mais dessa tradução tosca "Esperança". Sério? Esperança?
    Fiquei revoltada também com a tradução mega tosca que fizeram com Hopeless! Gente a Colleen Diva Hoover é RAINHA! Seus maravilhosos livros não merecem isso. Já estou com medo da tradução de Ugly Love.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oi Kel, tudo bem!?? Adorei p papo de hoje porque isso me irrita muito também!! Você citou excelentes exemplos e só nos resta torcer para essa prática acabar!! Melhor deixar com o título original mesmo!

    Beijos,

    Mari
    cantinhodeleituradamari.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Não dá, eu choro rindo com o Papo Literário :D Concordei com quase tudo aí... No caso de Looking For Alasca, eu acho que "Quem é você, Alasca?" foi uma boa "tradução" porque, quem leu o livro sabe que, no final das contas, ninguém realmente conhecia a Alasca, então o título se encaixou bem, na minha opinião.
    Outro problema que não foi o foco do post mas que tem a ver com traduções toscas são as traduções do conteúdo dos livros. Na primeira edição brasileira de "Quem é você, Alasca?", o apelido do personagem era Gordo, aí a Intrínseca foi lá, fez uma outra edição, colocou outro pra traduzir, e o Gordo virou BUJÃO!! Eu fiquei tipo "kê?" '-'

    ResponderExcluir
  17. Oi Kel! Mudando do Brasil em 3...2...1... Ainda quero entender a razão de se traduzir assim.. kkkk Qual o problema de não ter tradução ou traduzir ao pé da letra? O mercado é incrivelmente incrível. Quem é você Alasca.. Quem são vocês, pessoas de outro mundo? Bjs
    folheandominhavida.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. kkkkkkkkkkk

    confesso q nunca tinha me atentado as traduçoes, mas agora lendo sua resenha vejo q tem umas q realmente nao tem nada a ver... kkkkkk

    Mas, tenho a mania de qdo acabo de ler, eu fico pensando se o título foi bem escolhido e acredito q uns 95% dos livros q li, os títulos foram bem escolhidos (analisando com a história e não com o título em inglês).
    bjoooo

    ResponderExcluir
  19. E quanto traduzem os nomes dos personagens? Dá uma dor no coração e uma vontade desgraçada de passar e-mail para editora e perguntar qual é o problema deles. Na boa, já basta acabarem os títulos, não precisam traduzir os nomes. Fala sério. E não vou nem comentar o título de 50 tons, porque meus olhos até ardem. É isso, Kel.

    ResponderExcluir
  20. Realmente tem cada tradução nada haver com o original, super tosca, bizarra mesmo, nem da pra acredita que quem fez a tradução leu o livro.

    ResponderExcluir
  21. Kel!
    Concordo plenamente! Muitas traduções aqui são toscas. Lembro que quando fui para Portugal e lançou "Garota Exemplar", fiquei surpresa com o nome: "Em Parte Incerta". E olha que nenhum deles é o mesmo título que o original, "Gone Girl". Pelo menos lá os "50 Tons de Cinza" foi mais literal: "Cinquenta Sombras de Grey" (eles não tiraram o sobrenome dele hahah).
    Eu sempre fiquei inconformada com essas traduções! Outro dia estava conversando com um amigo do meu pai, que é americano, e não lembro o motivo, mas acabamos falando de "Curtindo a Vida Adoidado". Quando eu contei que esse era o título em português, ele começou a rir muito! Lá o título é algo como "O Dia de Folga de Ferris Bueller".
    Adorei o texto! Fico mesmo inconformada com isso hahah
    Beijos,
    Déia
    Own Mine

    ResponderExcluir
  22. Realmente tem algumas traduções beeeeeem toscas, dão até raiva. Mesmo em filme essas traduções zuadas sempre me irritaram. No caso de 50 tons achei desnecessário demaaaaaaaais traduzirem até o nome do cara.
    Tudo que Motiva

    ResponderExcluir
  23. kkkkkkkkkkkkk, adorei!
    Concordo demais, tem tradução que é mega tosca, e outras entregam mais do que devia, por um título errado! Por isso, palmas para a Verus, que manteve Easy sendo Easy. Imagina se virasse algo como Fácil? Medo!
    O enigma do príncipe realmente não tem sentido! Foi completamente sem necessidade. Assim como A Esperança, rs.
    Nesse ponto, tiro o chapéu para a Universo dos livros, que iria destruir um título de uma série que vejo, chegaram até a divulgar a capa, mas voltaram atrás depois que os fãs enlouqueceram nas redes sociais, :)
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Muitas vezes realmente certas traduções não são necessárias..
    Além das traducoes toscas tem as mal feitas tb como livro pegando fogo da Meg Cabot, o original é: pants on fire que não tem nada ver com pegando fogo.. E o título brasileiro tb não tem a ver com o livro.. Tenso assim!

    ResponderExcluir
  25. Eu tenho visto muitas editoras dando mole em traduções e em revisões também. Eu tenho o costume de ler alguns livros em inglês pelo kindle, e às vezes, nem reconheço o livro quando ele é lançado no Brasil devido a mudança que a editora faz no título. O que me ajuda é a capa. Rsrsrsrs
    Mas...depois que mudaram o número da plataforma de Harry POtter na versão brasileira, eu acho que as editoras podem mudar tudo, né?

    ResponderExcluir
  26. Oi Kel...
    Eu concordo com você kk
    Me lembro ano passado quando lançou The King da série a Irmandade da Adaga Negra... em um primeiro momento a Universo dos livros veio como o titulo Amante Rei. Mas o que???????
    Pensa na revolução que fizemos na internet com isso kkk mas deu certo... foi lançado O Rei.
    E olha vou mais fundo na sua informação... e as traduções dentro dos livros? Gente se uma personagem é bad boy ele deve falar palavrão, meio lógico não? A autora vai la e escrever "You're motherfuc...." e a editora nacional traduz como? Você é um babaca... NÃOOOOOOOO!!!! hahaha

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  27. Oi Kel, tudo bem??

    Nossa, concordo com você... não sou muito ligada com essas questões dos títulos, mas devo ressaltar que em alguns até presto atenção e me pergunto What? Porque olha... tem umas traduções bem toscas... e outras que não precisava nem traduzir... porque tira o sentido do enredo que você espera... e quando vai ver é totalmente diferente... Xero!!!

    ResponderExcluir
  28. Oi Kel!

    Bom, existem muitas traduções ruins mesmo. Poderiam manter as coisas mais normais possíveis rs. Confesso que não sou muito ligada aos títulos, mas certamente incomoda muita gente

    Beijos Fê
    http://www.amorliterario.com

    ResponderExcluir
  29. Tem uns títulos que dá vontade de dar na cara dos tradutores... Mas, pelo menos, há alguns que a tradução é bem literal (tipo City of Bones - Cidade dos Ossos). Agora, Quem é Você Alasca? Se nem ele sabe, porque a gente precisa saber? Ah, e tem Half Bad. Se traduzissem, nem a caba bonita me faria comprá-lo. Meio Mal?? Pfff...

    Bjs, Juh.

    ResponderExcluir
  30. Oie, tudo bom?
    Eu também não sou muito ligada a traduções, mas tem coisas que realmente fica impossível não reparar. Acho que a pior parte é perder a essência do título que muitas vezes é o que dá impacto antes da leitura. Dos exemplos que você citou, o que eu acho mais gritante é O Diário de uma Paixão e Morte Súbita.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  31. Realmente Kel, alguns títulos são até aceitáveis e tem um contexto mas outras é tipo WHAT??? Um exemplo que me chateou muito e vc tbm foi Hopeless que não tinha necessidade alguma =/ Mas fazer o que, não tem como entender as vezes as editoras!

    Beijos,
    Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  32. kkkk e pra quem não entende inglês? Como que vai perceber que faz tanta diferença assim?

    ResponderExcluir
  33. Oi!
    Esses títulos decepciona muitos fã pra mim o pior foi "A Esperança" que acabou me deixando um pouco confusa ao decorrer do livro, mas pra mim a pior tradução que me deixou com uma eterna raiva e quando mudam os nomes de personagem principalmente com Harry Potter que muitos nome sofreram adaptações como se faz a adaptação de um nome ?

    ResponderExcluir
  34. Quando eu fazia faculdade eu estudei um pouco de tradução. Não mto, porque logo parei kkkk
    Realmente não tem como traduzir tudooooo ao pé da letraa. Tem que ser é claro, com a essência, fazer quase exatamente do jeito que a autora escrever. But! Tem que mudar para ficar uma leitura fluída, tipo, gírias, vc troca a estrangeira por uma de mesmo sentido só que nossa, brasuca, eu acho que assim vale, mas tem umas coisas, que meu Deus... Muda até o conceito, o tema do livro, uó mesmo!
    Temos que ficar em cima viu!!
    bjos

    ResponderExcluir
  35. KKKK, realmente, as Editoras às vezes fazem umas traduções péssimas. Concordo com você que Hopeless deveria ter ficado com o nome em inglês, teria mais sentido com a história do livro, porque Um caso Perdido (apesar de ser a tradução ao pé da letra), não faz jus ao livro, e acaba por quebrar o duplo sentido que a autora queria dar (acredito eu). O mesmo que ocorreu com 50 tons de cinza.

    ResponderExcluir
  36. Oi Kel, tudo bem?

    É chato, mas as traduções toscas não estão só nas capas, mas algumas vezes eu encontro nas histórias mesmo. Umas gírias que não temos aqui viram uma tradução boba ou pegam um dito popular brasileiro e tentam colocar, mas fica sem nexo. O pior é que não fica só nos livros, mas também acontece nos filmes e séries.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Todos os comentários deixados aqui serão carinhosamente retribuídos.
Para isso, basta deixar o endereço do seu blog!
Mas antes de comentar, lembre-se de que esse post foi feito
com muito carinho, então, se vai comentar
"oi, fiz postagem nova, me visita" ou fazer um comentário
apenas de divulgação, este não será aceito.
Obrigada pela compreensão!
Já está seguindo o blog no Google Friends? Então não perca tempo!