29 novembro 2014

# Mudando de Assunto // Entrevista com a autora Viviane L Ribeiro

Oiee, pessoal, tudo bem?

To aqui com mais um Mudando de Assunto, desta vez com a autora Viviane Lima, cujo livro Coração Artificial foi lançado no último dia 19 de novembro pela editora Multifoco. O livro fala sobre um futuro onde as pessoas podem trocar seus órgãos por órgãos artificiais. E o filho do dono desta industria acaba se apaixonando por uma pessoa... =P. O resto vocês só vão saber lendo ou conhecendo um pouco melhor a história nesta entrevista =D


1) Como decidiu que queria ser escritora?
Quando construí a ideia de Coração Artificial. Eu acreditei tanto nele que quis que as pessoas o lessem também. Mas só fui me considerar escritora pouco tempo agora, quando saíram as primeiras resenhas e eu entendi que eu tinha a mesma função que um escritor de verdade tinha.


2) Foi difícil dar o primeiro passo e começar a escrever? 
Foi, e acho que sempre vai ser. Partir de um começo é tão difícil, então eu agradeço muito por meus genes ser determinados. Mas achei divertido criar personagens, pensar nas personalidades, nas características, criar seus destinos; você acaba sendo meio que um deus.


3) Coração Artificial é o seu primeiro livro?
Não, eu tinha escrito um antes. Mas ele foi muito horrível, então nem considero um livro, livro. Acabou sendo um ensaio.

Como foi o processo de pesquisa do livro?
Foi tranquilo. Tem um monte de informações sobre órgãos artificiais existentes pela internet, o que facilitou demais.

4) Seu livro é sobre um futuro distópico onde as pessoas poderiam trocar seus órgão por órgãos artificiais. Hoje em dia, muita gente amputada já usa membros artificiais. Você acha que o avanço da tecnologia pode chegar a esse ponto abordado no seu livro?

Nossa, com certeza. Já teve vários avanços, e a tendência é só melhorar. Para você ter uma ideia, fizeram um estudo com um camundongo onde copiaram suas células e a partir delas criaram um órgão totalmente funcional. Eu não tenho dúvida nenhuma. Mas não significa que será acessível a todos. Não nesse futuro próximo. Talvez no outro, quem sabe?

5) Em Coração Artificial o protagonista é um homem. É difícil fazer a narração masculina? Porque?

Não, foi tão fácil. Homens são menos complexos, e se eu pudesse daqui pra frente só escreveria na visão de homens – mas infelizmente, numa história você pesa qual dos personagens dará mais possibilidade de exploração, então isso não será possível. rs. Foi um desafio escrever com uma visão de homem, e eu amei estar na cabeça de um homem como o Gabriel.

6) No que você se baseou para formar o temperamento dos seus personagens?

Foi a história que determinou qual temperamento os personagens teriam, na verdade. Você tem que pensar em tudo, então o comportamento dos personagens tem que casar com a personalidade deles. Tudo o que está num livro não é aleatório.

Tem alguma inspiração em pessoas que você conhece?
Definitivamente. Eu me sinto um pouco culpada por usar as pessoas assim, mas essa é a única forma de atingir a verossimilhança. Quero aproveitar e pedir desculpas a um alguém importante pra mim pelo fato de eu ter usado você; foi tudo em nome da Literatura.

7) Qual é a maior dificuldade do autor nacional hoje em dia?
Eu poderia dizer que é publicar seu livro, mas isso é a coisa mais fácil hoje em dia. É uma boa pergunta, porque estive pensando nisso esses dias. Lá fora, os escritores têm todo um apoio; agentes, críticos, leitores betas, essas coisas. Aqui, o escritor pensa sozinho. Então a dificuldade é ter profissionais que pensariam com ele.


8) Seu livro foi publicado pela editora Multifoco, qual é a sensação de ver o seu livro publicado?
É um sentimento de outro mundo. No dia do lançamento eu estava tão excitada que ignorei minha personalidade e minhas limitações. Era como se eu fosse outra pessoa. E como uma citação do meu livro, “não importa quantas vezes pensei nisso, nunca estive realmente preparado”.


9) Deixe um recado para os nossos leitores:

Quando nos encontrarmos de novo, espero que tenhamos conseguido o que estávamos buscando.
Boa sorte para nós.


Beijos.

20 comentários

  1. MEU. DEUS.
    Achei pela pequena sinopse um livro muito bom, que eu acho que ADORARIA/AMARIA lê-lo.
    A escritora é uma fofa pelo que pude perceber aí na entrevista...
    Amei o post.
    http://whoosthatgirrl.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, Kel. Confesso que não conhecia o livro e nem a autora.
    Concordo com ela quando disse sobre a narrativa masculina. As mulheres são cheias de mi mi mi, o que dificulta um pouco mais na hora de elaborar rs

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista. São 6 livros para escolher, kit de marcadores e 3 ganhadores.

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia a escritora e o livro, mas amei a entrevista e o livro parece ser lindo.

    Beijos!
    livrosdawis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Que fofa gente, a capa do livro dela é linda, adorei a forma que ela começou seu livro, e que já tinha outro desconsiderado, não sei se isso geralmente acontece, a inspiração e a capacidade da criatividade de cada autor. Amei conhece-lá, muito bonita e meiga.
    Beijos Raquel, ThayQ.
    http://leituras-insanas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Eu ainda não conhecia o livro,mas só pelo o pouco que vi sobre ele na entrevista já fiquei com vontade de lê-lo. Parabéns pela entrevista e sucesso para a autora!! Beijos
    http://chuvacobertaelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Adorei a entrevista. Ainda não conhecia a autora mas achei ela super simpática. fiquei muito curiosa com o livro. Gosto muito do gênero e acho que não li nada com esse tema ainda. Se tiver a oportunidade, lerei.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Uauuu já fiquei totalmente interessada na obra, um coração artificial, amor, distopia...preciso desta leitura, adorei conhecer a autora e ainda mais agora sabendo do que se trata sua obra!

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  8. Oi, Kel.

    Tenho conversado bem pouco com a Viviane pela internet. Vi resenha de Coração Artificial e fiquei interessada, acabei adicionando ela no Face e essa mulher é da mesma cidade que eu. Pretendo agora em Dezembro fazer a leitura do seu livro e resenhar. Adorei ler um pouco sobre ela e sua obra. Adorei a Quote citada do livro e o recado que ela deixou pros fãs. realmente que nós consigamos encontrar o que buscamos.

    Beijos. <3 Muito animada com essa leitura. o//

    ResponderExcluir
  9. A Viviane Lima parece ser uma autora incrível, e o que ela disse sobre os autores nacionais é verdade, muitas vezes eles são menos valorizados o que me deixa triste pois são incríveis e merecessem todo o apoio. Coração Artificial está com uma capa linda e me chamou atenção foi o fato do protagonista ser um homem. Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Kel!
    Bom, primeiro de tudo devo dizer que fiquei super interessada pelo livro da Viviane. Gostei do pouquinho que você falou sobre ele, e estou extremamente curiosa para ler; Além de também gostar de saber que o livro é narrado por um personagem masculino (acho que estou saturada de mocinhas chatas).

    Sucesso para a autora com o seu livro. E eu espero poder compra-lo em breve.

    bjs

    ResponderExcluir
  11. que demais! não conhecia a autora e nem seu livro ainda, mas adorei a trama que ele aborda. não sou muito fã de distopias, mas de vez em quando umas me agradam, e essa me agradou, principalmente pelo romance e tal...
    esta capa também ficou linda!!!
    parabéns Viviane, e muito sucesso para você :D

    ResponderExcluir
  12. Oi Kel,
    Gostei bastante da entrevista. Não tinha ouvido falar ainda da autora e do livro, mas gostei bastante.
    Beijos
    Tão doce e tão amarga.




    ResponderExcluir
  13. Uma distopia nacional. Ai sim ein! Adoro ler entrevistas com novos autores. Como também sou metida a escritora, é bom saber que as minhas dúvidas e meus medos não são somente meus. Muitas vezes, penso em desistir desse sonho. Infelizmente, ainda é complicado um autor brasileiro ser reconhecido até mesmo em seu país, quem dirá fora dele.
    Beijinhos
    P.S.: Deu vontade de conhecer o livro.

    http://vidasempretoebranco.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Distopias Nacionais! Curto muito =)
    Achei bem bacana a ideia da autora, e inovadora também, pois nunca vi um livro que abordasse a temática. E bem, tenho que concordar com a autora.. publicar hoje não é tão difícil assim, a Amazon está ai para fazer todos iguais, publicar em uma grande editora já são outros 500...

    Beeeijinhos ;*
    Andressa - Mais que Livros

    ResponderExcluir
  15. Muito legal a entrevista,, e achei curioso o fato de os personagems trocarem seus orgaos por artificiais nessa distopia..
    Sucesso a autora,
    Bjs
    Forever a Bookaholic
    Curta a página do blog

    ResponderExcluir
  16. Eu não conhecia o livro dela mas fiquei interessada, por ser uma distopia. E eu achei isso das pessoas trocarem seus órgãos bem diferente, acho que nunca vi um livro assim. Gostei de conhecer um pouco da autora :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Eu não conhecia o livro nem a autora, mas gostei muito da entrevista. A capa do livro é linda também, gostei do enredo e estou bem curiosa para ler.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Não conhecia a autora, mas já gostei da entrevista. Eu dificilmente leio algum livro em que o protagonista é um homem, mas gostei de todos que eu li. A história desse parece ser bem diferente, e fiquei bem interessada em conhecer =)
    Bjss

    ResponderExcluir
  19. Muito interessante essa entrevista.
    O livro me chamou bastante atenção, fiquei curiosa pra saber como funciona essa troca de orgão, além de adorar distopias, é claro.
    Desejo muito sucesso nesse primeiro livro da autora.
    Beijos

    >>Tem promoção de Natal e Final de Ano lá no blog. São livros, marcadores e vale presente. Não fique fora dessa!<<
    Construindo Estante || Facebook

    ResponderExcluir
  20. Oii, Kell
    Mais outra escritora nacional com um futuro promissor! Amo distopias, e essa ideia da troca de órgãos é muito boa, tem tudo a ver com modelo atual de medicina. Essa busca pelo que perdemos, seja uma mão, um braço, uma perna, a vontade nos sentirmos completos de novo. Também me sinto como dono de vidas quando escrevo, é incrível criar e ter o destino de um personagem em nossas mãos! Haha Boa sorte em sua carreira!
    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Todos os comentários deixados aqui serão carinhosamente retribuídos.
Para isso, basta deixar o endereço do seu blog!
Mas antes de comentar, lembre-se de que esse post foi feito
com muito carinho, então, se vai comentar
"oi, fiz postagem nova, me visita" ou fazer um comentário
apenas de divulgação, este não será aceito.
Obrigada pela compreensão!
Já está seguindo o blog no Google Friends? Então não perca tempo!