# Resenha 107 // A Estrela que Nunca Vai Se Apagar

Oiee, gente, tudo bem?

Espero que sim. Nesse dia de feriado no Rio devido ao jogo da Copa do Mundo, minha tarefa por aqui é quase como virar um jogo que está 4x0 já no meio do segundo tempo. Existem livros que mexem com você de uma tal forma que fica difícil escrever sobre eles depois. Claro que quando você consegue essa façanha, normalmente, o resultado é aquela resenha cheia de sentimentos. Espero que este seja um exemplo destes textos. Recentemente descobri porque Ester Grace Earl é uma Estrela que Nunca Vai Se Apagar e vou explicar tudo para vocês.

Título: A estrela que nunca vai se apagar // The Star Won't Go Out
Autora: Esther Grace Earl
Editora: Intrínseca
Páginas: 448
Livro cedido em parceria com a editora



Sinopse: A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar conta a história de Esther Grace Earl, diagnosticada com câncer da tireoide aos 12 anos. A obra é uma espécie de diário da jovem, com ilustrações, fotos de seu arquivo pessoal, textos publicados na internet, bate-papos com os inúmeros amigos que fez on-line e reproduções de cartas escritas em datas comemorativas como aniversários. A jovem perdeu a batalha contra a doença, mas deixou um legado de otimismo e celebração ao amor. Atualmente sua mãe, Lori Earl, preside a instituição sem fins lucrativos This Star Won´t Go Out (tswgo.org), que apoia pacientes e famílias que lutam contra o câncer.

A filha do meio em uma família com cinco irmãos. Essa é Esther Grace, uma menina iluminada e sorridente, assim como a capa nos mostra. Todos os Earl tinham se mudado para Paris até que um dia Esther começou a sentir dores na costela e precisou ir ao hospital. A suspeita inicial era de pneumonia, mas logo se descobriu que ela tinha câncer em estágio avançado, na tireoide. 

Simples e sincero. Isso é o resumo do que eu posso dizer sobre um livro composto por páginas do diário, conversas na internet e cartas escritas por Esther Grace, uma adolescente que desde muito cedo precisou conviver com os riscos de uma doença terminal. Com certeza sua vida não foi fácil. Mas isso significa que não foi boa? Esther mostra que é possível aproveitar ao máximo e que é preciso ser feliz em plenitude.



É impossível não se emocionar com a trajetória dela. Particularmente, não durei nem duas páginas. Já no prólogo, escrito lindamente pelo autor e amigo, John Green, comecei a chorar ao imaginar o que viria pela frente. John nos dá um pequeno resumo de como conheceu Esther e fala sobre a breve vida desta menina. Nas suas palavras percebemos todo o sentimento que ele tinha (e ainda tem) com relação a Esther. 

Ao ler o livro, a impressão é de que estamos vendo a vida dela pela fechadura. Sentia que Esther era uma grande amiga virtual que estava partilhando comigo um pouco de seus anseios e problemas. A leitura é muito intima e, sobretudo, humana, sem querer colocar a menina em um pedestal, mas mostrando que ela era uma adolescente como qualquer outra. Claro que diante de uma doença tão complexa quanto o câncer, o humor de Esther não permanece sempre o mesmo. Muitas vezes ela fica triste/chateada por não poder sair de casa, por exemplo. Quem não ficaria? Mas, apesar disto, ela era muito pé no chão, fala da morte abertamente e encara cada dia como uma nova batalha vencida.

Espero que tenham um bom dia de Ação de Graças, porque o Dia de Ação de Graças é legal. Só, sabe... lembrem que vocês tem sorte, mesmo se acharem que não tem. Porque sempre tem alguma coisa pela qual ficar agradecido. E é, eu sei. Ok.

Me identifiquei muito com a Esther. Somos fãs de Harry Potter e adoramos a internet. Esther era nerdfighter de carteirinha. Sem contar que o jeito tão único da menina me chamou a atenção. Ela era verdadeira, sem máscaras. Ela era tão querida na nerdfighteria que o dia 3 de agosto ficou conhecido como Dia da Esther, um momento para celebrar o amor em suas mais variadas formas.



Impossível ir passando as páginas de A Estrela que Nunca Vai Se Apagar e não tentar associar com A Culpa é das Estrelas. Esther, como todo mundo sabe, foi um pontapé para John Green ao compor o seu livro. - Ele faz questão de afirmar (na introdução de AEQNVA, inclusive) que ACEDE não é sobre Esther. "(...) Hazel é muito diferente de Esther, e a história de Hazel não é a de Esther. A história de Esther pertencia a ela."- Mas ainda assim minha mente trabalhava ativamente. É verdade que Hazel e Esther partilham do mesmo segundo nome: Grace e talvez ambas tenham uma aparência física semelhante. Mas é impossível não perceber muitos dos pensamentos de Esther na obra de ficção do John. Sua vontade de fazer diferente, sua compreensão, sua sinceridade adolescente, sua paixão pela vida e até mesmo a sua dor.

"Fico surpreso que o livro tenha encontrado um público tão grande, mas a pessoa que eu mais queria que tivesse lido, nunca o fará" - John Green

Minha avó costuma a dizer que quando uma pessoa querida morre, ela vira uma estrela para iluminar a nossa vida lá do céu. Esther é uma dessas pessoas e sua luz se reflete em seu próprio nome cujo significado não poderia ser outro senão: Estrela. Esther iluminou a vida de muita gente. E mesmo que não esteja mais aqui no sentido físico da coisa, sua obra se perpetua no incrível intuito de nos lembrar que devemos permanecer firmes. O amor é mais forte que a morte, sempre.



Terminei o livro e, confesso, comecei a me sentir muito mal. Não que isso seja ruim. De maneira nenhuma. Esse meu "estado de espirito" foi mais uma reflexão sobre tudo o que li . Não conseguia ter noção do quanto a leitura era densa até de fato encerrá-la. É engraçado como nos sentimos muito maduros para a nossa idade. Mas ai vem uma menina de 14/15/16 anos (os textos do livro englobam estas fases de Esther) que fala literalmente para o meu eu interior "Sabe de nada, inocente". E não sei mesmo.

"Olha, não entendo basicamente nada sobre Deus, exceto que ele me ama, Ele me fez e sem Ele eu estaria perdida"

Me preocupo com qual roupa vou vestir no dia seguinte, se o meu cabelo está alinhado, se vou ter tempo de responder os comentários do blog, enquanto Esther está ocupada em fazer a diferença, em viver uma vida normal, além da sua séria doença. Ela não queria ser lembrada como alguém que tinha câncer em estágio terminal. 

Tenho medo de muita coisa. Desde baratas voadoras, estradas e carros em alta velocidade, até fantasmas. Mas o meu maior medo é a morte. Aquela coisa repentina que gera uma sensação de desamparo ao perder pessoas que eu amo. E foi nesse sentido que Esther abriu os meus olhos. Como diria o próprio Dumbledore "para uma mente bem estruturada, a morte é apenas a aventura seguinte". E assim era Esther. Uma menina que viveu o seu infinito limitado da melhor forma possível. Que amou intensamente cada um dos membros da sua família, cada um dos seus amigos, cada um dos seus gatinhos fofos de estimação. Que não tinha vergonha de falar "eu te amo", de falar o que pensava, que não tinha medo de falar da morte, de encará-la de frente.

Por muito tempo fui resistente em ler esse livro. Ele foi lançado e logo pensei que seria uma leitura superficial sobre uma menina que já morreu. Que diferença ele iria fazer para mim? Eu já sabia o final!! Folheava o livro na livraria, mas não conseguia me sentir atraída. Até que veio a parceria com a Intrínseca e resolvi dar uma chance. Mais uma vez aquela voz na minha cabeça afirmou: "Sabe de nada, inocente²". Talvez se eu tivesse lido este livro naquela época, não teria absorvido tanta coisa como absorvi agora. Talvez esse tempo tenha sido providente.

A diagramação do livro é impecável. Difícil competir com tanta dedicação, tantos detalhes lindos: estrelas por todo o lado, fotos, páginas de cores diferentes... exatamente como um diário adolescente. Acredito que essa tenha sido a intenção da editora.  Com certeza esse é o livro mais bonito que tenho na estante.

Falar de Esther no passado não soa muito justo. Ela vive no coração de muita gente. Ela vive através de seus ensinamentos atemporais rabiscados em um diário. Ela vive através fundação chamada This Star Won't Go Out, que ajuda milhares de pacientes com câncer e suas famílias. Ela vive através das pessoas que receberam a doação de suas córneas. Ela vive através dos videos que gravou no youtube. E agora ela vive também no meu pensamento. E espero conseguir ser ao menos 1% do que ela foi. 

“Apenas seja feliz e, se você não conseguir ficar feliz, faça coisas que o deixem feliz. Ou fique sem fazer nada com as pessoas que o fazem feliz.”

Gente, sei que essa resenha está gigantesca. Acreditem, não falei nem metade de tudo o que deveria ter falado. Espero que leiam esse livro e que a Esther possa viver no coração de vocês também.







54 comentários:

  1. Chorei com a sua resenha!
    Eu tenho tanto medo de ler esse livro, sabe? Eu não consigo ler histórias como essa e depois prosseguir minha vida sem ficar remoendo aquilo dentro de mim por muito tempo. Foi assim com ACEDE mesmo sendo uma história fictícia, e com certeza seria assim com esse livro. Espero ainda ter coragem de ler, outro dia o vi na livraria e era realmente muito bonito (no sentido estético), então mal posso imaginar o quão bonitas sejam as palavras de Esther.

    Obrigada pela resenha!
    Beijos
    http://poesiadestilada.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim eu que vou chorar, Ana huahuahua. Muito obrigada pelo elogio. Eu pensava a mesma coisa que vc quanto a esse livro. Mas tomei coragem e não me arrependi. Espero que vc faça o mesmo. Vc vai se surpreender.

      Excluir
  2. Sempre achei que Hazel e Esther eram a mesma pessoa sabe, mas parece que me enganei, esse livro vai entra para minha lista de compras devido a sua resenha pois também nunca tive o interesse de lê-lo mais você me fez mudar completamente de ideia.

    http://memorias-diversas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aline,

      A aparência pode até ser parecida, mas não sei se elas de fato se parecem em tudo. É inegável que a essência de Esther está no livro de John Green. Mas, talvez, não necessariamente na Hazel

      Excluir
  3. Olá Raquel,

    Esse livro sempre me chama atenção e essa é a primeira resenha que leio desse livro, me deixou bastante curioso e vou adicionar na minha lista...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Kel :)

    Quando um livro mexe tanto assim conosco, é difícil falar sobre o mesmo sem se emocionar, não é? Minha prima está com esse livro na estante, mas até hoje não leu, por medo de se sentir muito mal (o que foi seu caso, mas por outros motivos), creio que irei pegar emprestado com ela e ler logo, já que sua resenha me convenceu magnificamente. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom saber, Gabriel. Espero que vc goste do livro tanto quanto eu

      Excluir
  5. Oi <3
    "Fico surpreso que o livro tenha encontrado um público tão grande, mas a pessoa que eu mais queria que tivesse lido, nunca o fará" - John Green
    Gente eu to quase chorando com essa frase!
    Sou muito fan de ACEDE, e com isso é quase um pecado ainda não ter lido esse livro contando a historia da menina que inspirou o João Verde a escrever o livro.
    Beijos.
    http://www.vicioempaginas.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa frase é MUITO pesada, né? Nossa, só me dá vontade de pegar o John Green no colo e cuidar dele porque pooooooo ='(

      Excluir
  6. A impressão que da e que e um livro super emocionante... E eu não vejo a hora de poder lê-lo...
    Me emocionei demaisncom a culpa e das estrelas..
    Forever a Bookaholic
    Curta a página do blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, muito emocionante mesmo, Camylla! O livro é lindo

      Excluir
  7. Olá Kel!

    A sua resenha ficou tão linda, que nesse momento me faltam palavras.
    Confesso que rotulava esse livro antes de ler sua resenha. Agora estou com uma visão completamente diferente. Deve ser uma história incrível, que passa muitas lições, mesmo sem a intenção.

    Beijos!

    Tão doce e tão amarga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo elogio, Tha *-* Sempre tento passar nas resenhas tudo o que eu sinto ao ler um livro.

      Excluir
  8. Oie Kel =)

    Vou confessar que não li sua resenha. Desculpa ... mas tudo que lembra ACEDE me faz chorar t.t

    Por mais curiosidade que eu tenha de ler o livro da Esther, sinto que não vou ter estrutura emocional para ler até o final.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
  9. Nossa! Estou emocionada.
    Eu li A culpa das estrelas, e não fiquei dramatizada. Mas por esse livro, talvez eu já não possa dizer o mesmo.
    Quando tiver alguma oportunidade, vou procurar lê-lo.

    Um beijo,
    Livrologias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Kel que resenha linda. Amei cada palavra que vc escreveu, parabéns!!!!!
    Diferente de vc sempre que olho esse livro na livraria fico com vontade de ler, mas acabo deixando para depois. Mas agora vou oficialmente colocar na minha wish list e com certeza quero ser iluminada por essa linda também!!!
    Também acredito que o livro nos chama no momento certo, então esse era seu momento e ele acabou inesquecível!!!! Beijos

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Aline! Assim vcs me emocionam! Espero que goste da leitura

      Excluir
  11. Olá, Kel.
    Confesso que não sou a maior fã do John e nem me interessei muito pela história dessa menina. Quer dizer, parece mesmo ser muito bacana e emocionante, mas não compraria.
    Beijos.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Kel,
    ainnnnn, estou emocionada só com sua resenha.
    Vi esse livro na Travessa, logo depois que li ACEDE, sem querer...
    Folheei algumas páginas e quis conhecer um pouco sobre ela. Achei o livro um pouco carinho e ainda não consegui comprar, mas com certeza quero ter...
    Ela com certeza é um belo exemplo!

    Beijinhos
    Sou eu... Pri!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pri,

      sim, o preço do livro é salgadinho. Mas juro que vale a pena

      Excluir
  13. Oi Kel esse livro apesar de muito bonito pela sua diagramação, a história é muito triste e emocionante, ainda não li mas lendo a sua resenha e ouvindo demais opiniões vemos como ela resistiu e lidou com a sua doença, e isso faz a gente repensar nas nossas atitudes!
    bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dani,

      com certeza esse livro é uma grande lição. A história é emocionante e pesada. Mas a Esther ve tudo de uma forma tão bonita...

      Excluir
  14. Oi mo,
    Sua resenha ficou linda e tocante. Eu acompanhei como você se emocionou com a história dessa linda garota. Esther tem muito para nos ensinar. Ela era forte e bem humorada, mesmo com todos os problemas e dúvidas que ela tinha. Uma história inspiradora de uma garota que não era uma super-heroína, mas simplesmente uma adolescente com sonhos e desejos, como todas as outras. Que ela brilhe eternamente como as maiores das estrelas

    ResponderExcluir
  15. Tenho muita vontade de ler este livro pela mensagem que ele deve passar, adorei sua resenha

    http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Oi Kel

    Que resenha mas emocionante meu Deus essa você superou conseguiu passar toda a emoção ao ler o livro e isso só meu deu mais vontade de ler o livro, eu amo livros assim não pelo fato de passar tristeza mas sim pelo fato de ser um aprendizado de parar e pensar no que estamos fazendo da nossa vida para qual caminho estamos seguindo e por a gente não saber quando iremos morrer vamos deixando as coisas acontecerem conforme o tempo agora quando se tem um prazo para viver como a Esther é como se não tivesse nada a perder e acho que deveríamos viver igual a essas pessoas que tem prazo viver de maneira feliz e saber o que está fazendo pois apenas o que fica são as lembranças o resto é resto.

    Quero muito esse livro !

    Beijos e Parabéns pela resenha :)

    www.livrosechocolatequente.com.br

    ResponderExcluir
  17. Kelzinha! Sei bem como é isso, de sentirmos tanta coisa ao ler um livro e não conseguir expressar em palavras suficientes. Desde o lançamento deste livro eu o tenho evitado, mas por que sei que a leitura será tensa para mim. Estou esperando o momento certo para pega-lo. E sua resenha maravilhosa só me confirma tudo que imagino!

    Assim como você o meu maior medo é a morte, só de pensar já entro em desespero...mas a cada dia tento confortar isso no meu coração o que não nada fácil, acho que na realidade nem tenho que fazer isso e sim viver cada dia, sem traumas e sem preocupações, sendo feliz, acredito que seja esta uma das mensagens que Esther nos passe.

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  18. Oi Raquel,
    Quando vi pela primeira vez a capa desse livro achei bem tosca por não saber do que se tratava. Hoje, depois de ler sua resenha percebo que é a capa perfeita. Folheei ele na livraria e vi que tem fotos e tals. Definitivamente foi pro topo da lista.
    É isso que mais gosto nos livros, mesmo sendo ficção ou um tipo de biografia, o quanto eles mechem com a gente. O quanto, depois de ler determinado livro, podemos aprender na vida.
    Não dispenso uma história triste, ainda mais sabendo que é uma história real. Que nos mostra que mesmo diante das dificuldades é possível sorrir!
    De verdade, pelo pouco tempo que acompanho seu blog/site, essa foi sua melhor e mais sincera resenha Raquel. =)

    Abs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez a qualidade da foto não seja das melhores para ser uma capa, né? Mas ainda assim é tão lindo ver o sorriso da Esther *-* Amo. E muito obrigada pelo elogio a resenha. Espero que continue acompanhando o blog

      Excluir
  19. Olá Kel! Tenho muita vontade de ler esse livro, acredito que seja bem melhor que ACEDE (que não gostei muito) já que conta a verdadeira história da garota e por tudo que ela passou. Realmente não tem como não se emocionar, acho que assim como vc logo no início ia me emocionar. Já tinha visto em outras páginas que ela era fã de Harry Potter, o que amei e tbm me identifiquei.
    Beijo!
    Books Many Books

    ResponderExcluir
  20. Oi Kel! O que você escreveu na sua resenha já havia me tocado de certa forma. Confesso que não consegui conter as lágrimas ao ver os vídeos do John e dela. Preciso ler esse livro, mas tenho medo de ser demais para mim.
    Beijo!!

    Blog Mundo Mágico dos Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. dificil segurar mesmo, Gabe? O do John é lindo

      Excluir
  21. Oiee ^^
    Ainda não li esse livro, mas não sei se conseguiria...rsrs' parece ser ainda mais triste que ACEDE *-*
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  22. Não gosto da capa desse livro, parece ser um livro tão cheio de histórias e moral para passar e essa arte não passa esse sentimento ao leitor e nem conquista o público.
    Mas enfim, tenho muita vontade de ler, conhecer a história dessa garota que todos amam e comentam, gostei muito da sua resenha. Não gostei muito de ACEDE, não consegui me emocionar com nada, mas acredito que seja pela escrita de John Green... quem sabe me sinto tocada por esse :|

    Obrigada pelo carinho. Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
  23. Oi Raquel, tudo bom?
    Que resenha linda. Sério, acho que foi a melhor resenha que você já escreveu aqui no blog.

    Fiz a leitura ouvindo essa música: https://www.youtube.com/watch?v=AnNnOLl5z8k&list=UUaaLeJT7Q6bh1XaHWzmRDCw&index=19

    Eu já sei a história da protagonista, mas a história do livro vai além disso. Já sei também como é a diagramação e achei o trabalho da Intrínseca impecável. Pretendo ler porque sei que vai me tocar muito e aprenderei muito com a Esther.
    Beijos!!!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada, Aline. Assim eu que vou chorar huahuahuahua

      Excluir
  24. Ola raquel, muito obrigada por me fazer chorar com uma resenha, agora eu digo que ja chorei com tudo mesmo kkk confesso que eu ainda estou na fase de ficar adiando ler esse livro, porque pensar em tudo que ela passou e ver ela narrando isso deve ser bem pesado, estou esperando um momento certo para que eu possa acompanhar com calma essa linda historia!
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ai meu Deeeussss huahuahua. Nãããão =P

      Excluir
  25. Aiii Kel. Chorei com a sua resenha e os dois vídeos no final são para acabar com a gente. Chorei litros sem nem tocar no livro, imagina quando o ler! Obrigada por compartilhar conosco seus sentimentos com palavras tão lindas. Bjoks da Gica.

    umaleitoraaquariana.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Giane,

      mas ai qnd vc ler já vai estar preparada para o que está por vir =P

      Excluir
  26. Kel, eu não li todas as suas resenhas, mas das que eu li até hoje essa foi a mais bonita, emocionante e profunda. Não tinha interesse em ler este livro, mas agora acho que tenho que dar uma chance ao livro e conhecer essa história.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Oi Kel!
    Já faz algum tempinho que comprei esse livro, mas até hoje não li, aliás só li o depoimento do Tio John, o qual me emocionou bastante, e acho que é por isso que até hoje não terminei de ler, não estou muito para leituras emocionantes no momento rsrs

    Beijos!
    Taty Assis

    P.s: Tem resenha nova no blog e Luxúria Literária tbm, o livro da vez é Real da Katy Evans, vem conferir :)
    http://aculpaedosleitores.blogspot.com.br/2014/06/resenha-real.html

    ResponderExcluir
  28. Oi Kel, tudo bom?
    Ah, esse livro, eu não sei se tenho estruturas. John Green captou um pouco dela em ACEDE e já me derrubou, imagina ler a história real. Não, acho que não tenho estrutura. Não agora, que, eu não sei porquê, estou tão sensível a esse tema. Vê, eu to chorando lendo os quotes daqui do post.
    Complicado, Raquel, complicado.

    ResponderExcluir
  29. Esse livro ainda não foi lançado cá em Portugal o que é uma pena, mas posso lhe dizer que fiquei emocionada (uma lagriminha apareceu no meu olho) ao ler a resenha. Cada vez com mais vontade de ler esse livro.
    Parabéns pelo post fantástico <3
    Beijo~
    www.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  30. UAU!
    Nossa, Kel, quase chorei só de ler a resenha. Não sei se vou ter estrutura emocional para ler esse livro, rs. Realmente parece ser muito lindo, e uma verdadeira lição de vida. Fiquei interessada quando soube que ACEDE era inspirado na história da Esther e que ela era amiga do John Green.
    Adorei a resenha, você passou toda a emoção e densidade da leitura. Realmente, a Esther parece ser uma figura inspiradora, e que merece ser lembrada.
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  31. Quero muito ler esse livro mas ao mesmo tempo tenho receio de faze-lo, pois choro só de ler a resenha. Tenho certeza que irei me emocionar ainda mais lendo o livro. Sua resenha está simplesmente magnífica.

    Bjs, Glaucia.
    www.maisquelivros.com

    ResponderExcluir
  32. Ai Kel, que resenha linda! Eu me emocionei!! Ainda não tive a oportunidade de ler o livro. Estou adiando mas sei que logo vou conhecer a história dessa incrível garota que tocou o coração de muita gente.

    Beijos

    Mari
    Cantinhodeleituradamari.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  33. Oi flor!
    Menina já tinha visto essa capa várias vezes e não sabia da história por traz da capa. To bege! Nossa incrível! Sua resenha ficou fantástica mas não acho que aguento duas Hazel na minha vida não. Fiquei deprimida depois que li o livro e quase surto, não quero passar por aquilo de novo não. T.T

    Beijocas da Deebs!

    ResponderExcluir
  34. Oi Kel, terminei a leitura desse livro nao tem nem dez dias e menina, que lance forte. Ela era realmente iluminada, engraça, uma estrela. Ela sabia que estava em estagio terminal e nao se preocupava com a morte. ME emocionei em muitos momentos. Poder alterar o diario com o que acontecia com ela e com o que os pais publicabvam no mesmo periodo, deu pra sentir os dois lados. E o discurso funebre do pai dela ? Sabe, achei ele frio desde o inicio, se bem que poucas vezes era ele quem publicava, isso ficava mais com Lori, mas, ele estava la, sofrendo com "sua menininha". E aquelas palavras dela: "estou indo.. estou indo..." é como eu imagino que realmente seja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, imagina isso, né, Katia? Vc ver a sua filha falando que está indo... não consigo nem imaginar isso. Vc não sabe se ela está sofrendo, se está feliz... é tão complicado. Tento te colocar no lugar daqueles pais. Que Deus os fortaleça

      Excluir
  35. Sei como é escrever e não conseguir dizer tudo...
    Antes eu pensava como você, que era só uma releitura e tals.. mas você me convenceu. Parece o tipo de história "tem que ler - obrigatório!", para mim. Adoro refletir sobre essas coisas.
    Obrigada, Raquel.
    Beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Todos os comentários deixados aqui serão carinhosamente retribuídos.
Para isso, basta deixar o endereço do seu blog!
Mas antes de comentar, lembre-se de que esse post foi feito
com muito carinho, então, se vai comentar
"oi, fiz postagem nova, me visita" ou fazer um comentário
apenas de divulgação, este não será aceito.
Obrigada pela compreensão!
Já está seguindo o blog no Google Friends? Então não perca tempo!