# Papo Literário // Literatura Inclusiva


Olá, pessoal! Tudo bem?

Vocês já ouviram falar em livros em Braille e audiolivros? Hoje na coluna Papo Literário vou falar sobre literatura inclusiva. 
Livro em Braille

Braille é um sistema de leitura e escrita destinado a pessoas deficientes visuais por meio do tato. O sistema se adapta à leitura tátil, pois os pontos em relevos devem obedecer a medidas padrão, e a dimensão da cela Braille deve corresponder à unidade de percepção da ponta dos dedos. Livros em Braille nada mais são que livros que podem ser "lidos através dos dedos", mas apenas por quem tem o conhecimento do sistema Braille, geralmente pessoas cegas.

Já os audiolivros, também conhecidos como audiobooks, são livros em formato de áudio. Esse tipo de livro é usado por pessoas com e sem deficiência visual. Normalmente é gravado em estúdio, lido de forma pausada e com interpretação. Também há a utilização de efeitos sonoros e músicas que ajudam o ouvinte a assimilar melhor a atmosfera criada. O mais legal do audiolivro é que ele agrega pessoas com e sem deficiência, letrados e pessoas analfabetas. 

Virgínia. Crédito da foto: Programa Especial
Virgínia Menezes, consultora em audiodescrição e cega, prefere ler em Braille: "Eu gosto dos dois tipos de leitura, mas prefiro Braille, gosto do hábito de ler", afirmou. Ela ainda me contou que estava ouvindo o livro Caçador de Pipas por audiolivro, mas quando soube que lançou em Braille foi correndo adquirir um exemplar. 

Há quem considere que para quem não tem deficiência visual e é alfabetizado, ouvir um audiolivro ao invés de ler é preguiça, mas vamos aos fatos: se você estiver dirigindo seu carro você não vai poder ler da forma convencional e aí pode recorrer aos livros falados. Ou então, que tal caminhar enquanto ouve seu livro favorito? Garanto que é mais mais difícil ler enquanto anda! Tá, tudo bem, talvez a concentração não seja a mesma, mas para quem se vira nos 30 para ler naquele ônibus apertado, que tal? (Ler a coluna "Ler ou não ler no ônibus?").

O assistente de câmera Hélio Leite, que não tem deficiência, tem o hábito de ouvir audiolivros pela internet. Ele já ouviu os livros O Canto da Sereia, do Nelson Motta, e A Ciência de Ficar Rico, de Wallace D. Wattles, por exemplo. Ele me contou que tem audiobooks em que as vozes são diferentes para cada personagem e narrador. Olha que legal!

De acordo com o supervisor de Produtos Radiofônicos da Fundação Dorina, Flavio Coelho, cerca de 90% da população de pessoas com deficiência visual precisa de outras formas de leitura, pois não são alfabetizadas em Braille, e o áudio se torna essencial. Segundo dados do IBGE são mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual no Brasil e nem todos leem em Braille. 

Onde encontrar livros em Braille:

Onde encontrar audiolivros: 


Espero que vocês tenham gostado da coluna de hoje! Até a próxima! 

11 comentários:

  1. Excelente post. Adoro incentivo a essas medidas de inclusão social. Fiz uma matéria uma vez sobre um artista que está tentando fazer quadrinhos em braile, para dar possibilidade de tocas as imagens... Achei sensacional!

    Bjs, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
  2. Super legal o post, adorei (:

    http://devaneiosdeuma-adolescente.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Nossa, não sabia que os livros do Itaú estão em Braille também. Que demais isso. Audiobooks não prendem a minha atenção, acho que eu iria me dispersar muito fácil. Mas é legal ver que tem gente que opta por essa nova vertente literária

    ResponderExcluir
  4. Oie meninas ;)
    Que legal esse papo literário de você, ele é ótimo e nós deixa informada, gostei de sabe sobre o Bailler, e quem amam ler não importa se não tem a visão dá um jeito!
    Beliscões carinhosos da Máh ~~♥
    Cantinho da Máh
    @Maaria_Silvana

    ResponderExcluir
  5. Bem legal este post, uma vez fiz um no blog falando da Biblioteca Braille que tem no Centro Cultural de SP, acho super válido esta divulgação, tem gente que precisa e nem sabe como conseguir livros assim,

    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  6. Oi Monique! Adorei essa coluna, primeiramente, adorei porque aprendi muita coisa aqui, e outra, acho interessante citar os audiobooks, eu não conheço muitos, até hoje só ouvi um, que foi "O Reino Mágico da Consciência", não lembro o autor mas sei que é brasileiro e é realmente fantástico!

    Os efeitos sonoros então...nem se fala, muito perfeito mesmo! Mas não sei se pretende aprender Braile, eu acho complicado, mas o legal é pessoas cegam se interessarem por leitura, enquanto pessoas que podem ver reclamam quando tem que ler um livro :( Nesse ponto nosso país é muito fraco mesmo. É isso aí, beijos...

    http://blogliterariopalavrasaovento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Muito boa a postagem. Já "li" um audiobook e é bem interessante. Acho essencial para quem não consegue ler.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  8. Gente, que legal isso, nem sabia que tinha livros em braille e audiolivro, isso é ótimo!

    beeeijos,
    http://www.misssainha.com/

    ResponderExcluir
  9. matéria comovente ,
    muito bom , lindo de mais
    beijos
    livro-azul.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Meu sonho é trabalhar com educação inclusiva, então esse post tem tudo haver.
    Acho muito necessário que tenham esses recursos.
    muito bom
    bjs
    http://www.letrasdanana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Amei o post.
    Bem detalhado e com ótimas informações.

    Parabéns!

    Beijos,
    www.livrosqueinspiram.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
Todos os comentários deixados aqui serão carinhosamente retribuídos.
Para isso, basta deixar o endereço do seu blog!
Mas antes de comentar, lembre-se de que esse post foi feito
com muito carinho, então, se vai comentar
"oi, fiz postagem nova, me visita" ou fazer um comentário
apenas de divulgação, este não será aceito.
Obrigada pela compreensão!
Já está seguindo o blog no Google Friends? Então não perca tempo!