Resenha 395 | Os 12 signos de Valentina

Ei, galera, tudo bem?

Que tal começar 2018 com um livro super divertido que vocês vão terminar em, no máximo dois dias? Se liguem na dica:

Título: Os 12 signos de Valentina
Autor: Ray Tavares
Editora: Galera Record
Páginas: 392

Sinopse: Isadora é ariana e seu ex namorado pisciano... Inferno astral! Em busca da combinação astrológica perfeita, ela cria um blog para relatar suas experiências Isadora descobriu da pior forma possível que o namorado a traíra. E com sua melhor amiga, ainda por cima! A estudante de jornalismo entra numa fossa sem fim. Sem nenhum estágio à vista, ela se afoga em filmes feitos para chorar, pizza e em sua mais nova obsessão: stalkear o perfil do ex namorado no Facebook. Até descobrir exatamente o que deu errado entre ela e Lucas: seus signos são incompatíveis. Basta encontrar um rapaz de libra e seu mundo entrará nos eixos novamente. Com a nova obsessão e a desculpa do trabalho final de jornalismo online, uma reportagem investigativa sob um pseudônimo, Isadora une o útil ao agradável e cria um blog para relatar a experiência: Os 12 signos de Valentina. Já que precisa encontrar o libriano perfeito, por que não aproveita e experimenta os outros signos do zodíaco para ter certeza mesmo?

Isadora namorou Lucas por seis anos e tinha certeza de que ele era o amor de sua vida. Foi com ele que Isa teve muitas das suas primeiras experiências, inclusive a primeira traição (e, para piorar, foi com uma colega de turma de Isa). Nunca é fácil lidar com um término e com Isa não foi diferente.

Perdida em filmes românticos da Netflix, inúmeros chocolates e bisbilhotadas no Facebook do ex (quem nunca?), a garota resolveu abraçar a fossa, certa de que estava destinada a ser “a tia solteirona” da família. Isso até aceitar, depois de muita insistência, ir à balada com a prima. Foi lá que a magia da vodca aconteceu e, conversando com uma funcionária da boate no banheiro, Isadora descobriu que o seu relacionamento com Lucas nunca daria certo. A culpa do fracasso? Incompatibilidade de signos! Peixes, signo do ex, é o inferno astral do signo de Isa, Áries. Logo, eles nunca dariam certo. A partir daí ela resolve se aventurar através do zodíaco em busca do par perfeito. Um projeto de uma das matérias da faculdade dá o empurrãozinho extra para a ideia sair do papel. Ela iria precisar criar um blog. E porquê não documentar as suas novas experiências amorosas? Isa se propõe a conhecer um garoto de cada signo até encontrar o seu par ideal, tudo isso com o pseudônimo de Valentina.

Para todos os loucos por astrologia, e até para quem não é, mas adora um romance bem humorado, “Os 12 signos de Valentina” é o livro de estreia da autora, Ray Tavares. Ariana assumida assim como sua protagonista, ela veio da publicação independente no Wattpad para somar ao time da Galera Record. Claro que há alguns estereótipos de signos. Mas qual leonino não é um pouco narcisista? Ou canceriano que não é dramático? É verdade universal que todo o taurino é esfomeado e que o pisciano tem um pézinho no mundo da lua. Mas, no fundo, Ray mostra que o signo pode até dar uma ajudinha, mas existe outras variáveis que vão fazer com que o casal tenha aquele match perfeito.

“Os 12 signos” tem várias referências da cultura pop e ainda tem o humor incrível da autora que acha até um espacinho para alfinetar político sem parecer forçado ou fora de contexto. Valentina tem um pouco de cada uma de nós e ensina que não tem nenhum problema em sair com vários caras, sendo parte de um “estudo” ou não.  

Eu, pisciana, com ascendente em Sagitário, amei acompanhar a caminhada de autodescoberta da Isa ao mesmo tempo em que suspirava de amores por cada encontro e desencontro com certo personagem. Não deixem essa maravilha passar!




Resenha 394 | Mr. Romance

Oi gente,

Aqui é a Fernanda e hoje eu trouxe a resenha desse livro super amorzinho e muito divertido

Título: Mr. Romance
Autora: Leisa Rayven
Páginas: 358
Editora: Globo Alt

Max Riley pode fazer com que as fantasias mais incríveis ganhem vida: sob o alter-ego de Mr. Romance, ele pode ser um bilionário dominador, um bad boy inocente, um geek sexy ou qualquer outro homem que satisfaça os desejos das mulheres solitárias da alta sociedade de Nova York. No entanto, nada disso envolve sexo: são apenas encontros inesquecíveis. Intrigada com a lenda urbana de Mr. Romance, a jornalista Eden Tate está determinada a publicar uma matéria revelando sua identidade e suas artimanhas. Desesperado para proteger seu anonimato, Max desafia Eden a ter com ele três encontros: se ela não se apaixonar por ele, poderá publicar a matéria. Caso contrário, deverá esquecer a história. Eden não tem dúvidas de que conseguirá resistir a todos os falsos personagens de Mr. Romance, mas será que é seguro entrar no jogo do maior mentiroso de todos?

Eden Tate é uma jornalista que esta cansada de publicar tantas matérias fúteis, não foi pra isso que ela estudou. Desanimada com a função que atualmente desempenha e prestes a ser demitida pelo seu chefe, sua irmã acaba de dar uma excelente ideia de matéria para que Eden alcance o tão sucesso desejado. A matéria é sobre o Mr.Romance, um homem lindo, que promete satisfazer os desejos das mulheres solitárias da alta sociedade de Nova York, e o mais chocante, sem que isso envolva sexo. 

Eden esta determinada a desmascarar Max Riley, o Mr. Romance, ela quer publicar uma matérias revelando sua identidade e de suas clientes, além de revelar as artimanhas usadas pelo homem que ela considera um aproveitador. 

Eu já li alguns livros da Leisa Rayven e sei o quando ela escreve bem, isso só ratificou em Mr. Romance. O livro tem uma narrativa incrível, tanto que eu comecei a ler como quem não quer nada e horas depois eu já estava terminando e me sentindo órfã da história.

Max Riley é um personagem incrível, gostei bastante da proposta que a autora criou para ele, do que ele representa para as mulher, fiquei encantada por cada personagem que ele desempenhava. Eden é uma mulher meio cabeça dura, mas concordo que ela tem motivos relevantes para ser uma pessoa incrédula no amor. 


Asha, a irmã de Eden é muito divertida, ela acredita fielmente no amor e esta sempre correndo atrás do príncipe encantado, espero que a autora tenha planejado um livro sobre ela, já quero saber quem será o grande eleito de Asha

Mr. Romance foi uma leitura muito prazerosa e divertida, por diversas vezes eu me acabei de rir, os diálogos são muito bem humorados. O enredo tem sim romance e muitas cenas quentes, mas adorei o fato de que isso não era o ponto central do livro.

Fui completamente fisgada pelo espírito jovem de Nanabeth, a avó de Eden, que personagem fantástica e inspiradora. Confesso que no futuro eu me vejo envelhecendo da mesma forma que Nanabeth. 

Resumindo, é romance incrível e muito divertido. Além de se apaixonar pelo casal e pelos personagens, você vai dar grandes risadas. Espero que ame tanto esse livro quanto eu. 





Resenha 393 | O ódio que você semeia

Oi, pessoal, tudo bem?

Sabe quando você termina um livro e fica por um bom tempo pensando nele? Foi assim com "O ódio que você semeia". Falei um pouco dele no post sobre livros com protagonistas negras (que você confere aqui) Mas essa história é tão especial e necessária que precisava de uma resenha.

Título: O ódio que você semeia
Autora: Angie Thomas
Editora: Galera Record

Sinopse: Starr aprendeu com os pais, ainda muito nova, como uma pessoa negra deve se comportar na frente de um policial.
Não faça movimentos bruscos.
Deixe sempre as mãos à mostra.
Só fale quando te perguntarem algo.
Seja obediente.
Quando ela e seu amigo, Khalil, são parados por uma viatura, tudo o que Starr espera é que Khalil também conheça essas regras. Um movimento errado, uma suposição e os tiros disparam. De repente o amigo de infância da garota está no chão, coberto de sangue. Morto. Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos - no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início. Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa. Angie Thomas, numa narrativa muito dinâmica, divertida, mas ainda assim, direta e firme, fala de racismo de uma forma nova para jovens leitores. Este é um livro que não se pode ignorar.
Starr e sua família são negros e moram em uma bairro violento, na periferia de uma cidade americana. Ela e os irmãos estudam em um colégio de classe média alta em outro bairro, uma escolha dos pais para que os filhos pudessem se distanciar, mesmo que momentaneamente, da realidade intensa de onde vivem. Para ser aceita na escola, Starr tenta se adaptar: diminui as gírias consideradas "de negros", molda suas atitudes para que não seja vista como "a garota do gueto". Ainda assim, seu cabelo black e seus tênis de basquete a transformam na aluna "descolada". Não preciso dizer que Starr e os irmãos são a minoria negra do colégio, certo? Desde cedo ela teve "a conversa" com os pais. Mas não aquela que fala sobre a importância de usar camisinha, mas a que ensina como se comportar diante de um policial: sempre deixar as mãos à vista, fazer exatamente o que é pedido, nunca reagir. Afinal, Starr é "um grupo de risco", negros nunca são bem visto por policiais, apenas por serem negros. 

Starr viu sua melhor amiga de infância levar um tiro e morrer enquanto brincava na rua. As duas ainda eram crianças. Anos depois, é Khalil, seu também melhor amigo, que está na mira de uma arma. Starr pegou carona com ele para sair de uma festa e o carro foi parado por um policial, que insistiu em revistar o veículo em busca de drogas. Ela vê quando Khalil, de costas e desarmado, é alvejado. Única testemunha do crime, Starr precisa encontrar a sua própria voz para vencer o luto, a culpa, e garantir que esta morte não vai ficar impune.

Foto: Nat Eiras
"O ódio que você semeia" tem inspirações no movimento Black Lives Matter que é uma frente ativista internacional que milita contra a violência direcionada aos negros. O BLM nasceu nas redes sociais após a absolvição de um que matou homem branco que matou um negro desarmado a tiros . Agora o movimento ganhou força em vários países, inclusive aqui no Brasil.

Acho que todo mundo deve ter ouvido/lido uma história semelhante, certo? Um jovem negro é morto por policiais e imediatamente "descobre-se" que o rapaz é bandido, aliciado ao tráfico, carregava x quilos de drogas. Mas nenhuma arma foi encontrada com essa pessoa. É exatamente o que acontece com Khalil. No livro ele é traficante, sim. E aqui nem vou colocar o motivo pelo qual ele vende drogas. Não vou falar da falta de oportunidade, do drama da mãe, da necessidade da avó, etc. O fato é que mesmo sendo traficante, ele estava desarmado e seu carro estava limpo. Com isso, a autora problematiza sobre a truculência da polícia, a morte de inocentes e a falta de representatividade negra no dia-a-dia.

Com Starr sentimos o medo de ser a única testemunha de um crime, sentimos o gosto da impunidade e percebemos como é ver uma pessoa que amamos ser julgada pelos veículos de imprensa sem poder fazer nada. Por sorte ela conta com o apoio da sua família e do seu namorado (que é branco).

"O ódio que você semeia" é super necessário e importante para discussões sobre racismo, algo tão próximo de nós que é muito fácil substituir o Khalil por Rafaéis Braga, Fernandos Cunha, Herinaldos Santana, Eduardos Ferreira, entre tantos outros exemplos. Assim como é muito fácil adaptar a situação da Starr, uma das poucas pessoas negras em um colégio, por muitas meninxs em escolas particulares. Em todo o meu ano escolar, tirando a faculdade que tinha uma rotatividade muito maior nas turmas, estudei com apenas cinco pessoas negras da alfabetização até o terceiro ano do ensino médio.

E antes de terminar esta resenha, queria deixar alguns dados para vocês. Vocês sabiam que segundo pesquisa da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e do Senado Federal, todo ano, 23.100 jovens negros de 15 a 29 anos são assassinados? Isso representa 63 jovens por dia ou um a cada 23 minutos. A taxa de homicídios entre jovens negros é quase quatro vezes a verificada entre os brancos.

Lembrando que você pode comprar o livro usando um cupom de desconto do Extra 





A bordo | Santiago 5 dias

Fala, leitores viajantes, tudo bem?

Pensando em ir para Santiago nas próximas férias? Então se liga nesse roteiro. Fui à Santiago em julho de 2016 em uma viagem que combinou a capital com o Atacama (se quiser saber mais sobre o deserto, vejam este post WWW)

Foto: Guia da Semana

Santiago é a maior cidade do Chile, a sétima mais populosa da América Latina e conta com uma ótima estrutura para terremotos (sim, essa era uma das minhas preocupações quando fui para lá. Inclusive, escolhemos um hotel com tecnologia para terremotos haha).

O que me chamou a atenção quando cheguei na cidade foi a névoa. Descobri que, na verdade, isso é o principal problema de Santiago: contaminação atmosférica, que se torna mais visível durante o inverno. Como a cidade é cercada pela Cordilheira dos Andes, isso faz com que a poluição não se dissipe. 


DAY 1

Ficamos em um hotel perto da zona mais empresarial da cidade. Mas como Santiago conta com ótimas linhas de metrô, a locomoção não foi o problema. No primeiro dia fizemos um reconhecimento da cidade indo até o Cerro San Cristóbal. Subimos de funicular, no final da tarde. O lugar dá uma visão linda de toda a cidade. São quase mil metros de altura e a montanha faz parte da Cordilheira dos Andes. No topo está o Santuário da Imaculada Conceição, com uma imagem linda da santa. Foi ali que São João Paulo II celebrou sua missa no país.

Lá de cima é possível ver toda a cordilheira dos Andes que cerca Santiago. É lindo! O local tem estrutura de lanchonetes e banheiros. Voltamos a pé. Mas haja fôlego. Descemos em mais ou menos meia hora.

De lá seguimos para o Shopping Costenera, acima dele está a maior torre da América Latina, que optamos por subir em outra ocasião. O shopping em si é ótimo. Boa praça de alimentação e opções de lojas. 

DAY 2

No segundo dia fomos para Cajon del Maipo. Se você nunca ouviu falar desse lugar, veja o clipe da Ludmilla Eu não quero mais. O lugar, na verdade, é uma represa e no inverno fica cheio de neve, absolutamente lindo. Fica a mais ou menos uma hora e vinte da cidade. Para ir para lá, principalmente na época do inverno, é indispensável contratar um tour. Nessa época tem muito gelo na pista e nem todo mundo está acostumado a dirigir nessas condições, hahaha. No dia que fomos, particularmente, tinham vários pontos ruins na estrada porque tinha chovido/nevado alguns dias antes.  Outro detalhe é que não há transporte público para lá, só de carro mesmo.



Olhando o TripAdvisor achei a Stamps Tour, uma empresa familiar composta por chilenos filhos de uma brasileira. Inicialmente fecharíamos apenas os passeios para Cajon e Farellones, mas gostamos tanto da Vanessa, nossa primeira guia, que fechamos também o passeio para Viña del Mar e Valparaíso com eles (conto mais abaixo). Vanessa é uma figura e nos deixou super a vontade. Paramos no caminho para alugar sapatos impermeáveis e também bastões de ski para andarmos melhor na neve. Fez a diferença e evitou (muitos) tombos.




Quando fomos, o tempo estava nublado, então não conseguimos ver a lagoa azulzinha, mas ainda assim a paisagem é linda. Foi a primeira vez que vi neve bem de pertinho. Depois a Stamps oferece um piquenique/almoço com direito a vinho. Fantástico. 

DAY 3

Nossa escolha por passar as férias no Chile foi influenciada pela ideia de ver a neve. Então, o passeio para a montanha não poderia ficar de fora do roteiro. Escolhemos Farellones para fugir da badalação de Valle Nevado, a mais famosa.
Nosso critério foi o seguinte: não queríamos aprender a esquiar, queríamos, literalmente, brincar na neve.


Valle Nevado tem pista profissional de ski e várias aulas para você aprender o básico. Em Farellones, além de aula de ski, tem tirolesa, tobogã e outras atividades divertidas, que era o que buscávamos. Não nos arrependemos. Brincamos tanto que deu até calor, mesmo em meio a tanta neve. 

DAY 4

Depois de muito passeio no entorno de Santiago, passamos o dia todo na cidade porque lá tem muita coisa bacana para ver. 

Vimos a troca da guarda no Palácio La Moneda. É bem legal, eles fazem uma apresentação, tocam algumas músicas e acontece a troca. Porém, é importante pesquisar para ver qual o dia irá ocorrer a cerimônia de troca. Ela acontece em dias alternados, um mês nos dias pares e no seguinte, nos ímpares. Basta dar um Google para você descobrir as datas certinhas. A cerimônia toda deve durar cerca de uma hora.


Já que o Palácio de la Moneda fica na região central, estique mais um pouquinho até a Catedral de Santiago. Ainda nos arredores, vale muito a pena subir o cerro Santa Lucia. Ele é lindo, tem fácil acesso ao metrô e ainda dá para ver o contaste de Santiago. De um lado uma cidade super moderna, com prédios espelhados, e de outro uma arquitetura mais antiga e cheia de charme. 

Depois, fomos passear no Pátio Bellavista, que não é muito longe dali e tinha sido nossa parada na noite anterior. Lá é ótimo, não só dentro dele, como no entorno. Tem várias opções de restaurantes com os mais variados cardápios. 

Também aproveitamos para subir na Sky Costenera. É a torre mais alta da América Latina e você consegue ver a cidade em 360°. A torre é toda envidraçada, é absolutamente lindo. Alguns guias explicam gratuitamente alguns pontos da cidade, no final é só deixar alguma gorjeta para eles. 


Pertinho dali tem o Parque de las Esculturas que nada mais é, como o nome sugere, um parque com esculturas. É bem agradável. Não é grande e dá para sentar um pouquinho e ver a vida passar.

DAY 5

No último dia em Santiago, fizemos o passeio para Viña del Mal e Valparaiso. De novo fomos com a Stamps Tour. No caminho, paramos em uma vinícola. Mas como fomos no inverno, as parreiras estavam sem uvas. 


Viña del Mar é realmente encantadora. Lá está exposto um moai da Ilha de Páscoa e a praia é uma gracinha, cheia de gaivotas. É lá também que está aquele famoso relógio de flores, parada obrigatória para quem vai para a cidade. Depois fomos para Valparaiso, que na minha opinião, apesar de bonitinha, é um passeio dispensável. 


Resenha 393 | Amor & Gelato

Oi gente!

Aqui é Fernanda e hoje eu trouxe a resenha desse livro delicioso.

Título: Amor & Gelato
Autora: Jenna Evans Welch
Páginas: 320
Editora: Intrínseca
Livro cedido em parceria com a editora

Depois da morte da mãe, Lina fica com a missão de realizar um último pedido: ir até a Itália para conhecer o pai. Do dia para a noite, ela se vê na famosa paisagem da Toscana, morando em uma casa localizada no mesmo terreno de um cemitério memorial de soldados americanos da Segunda Guerra Mundial, com um homem que nunca tinha ouvido falar. Apesar das belezas arquitetônicas, da história da cidade e das comidas maravilhosas, o que Lina mais quer é ir embora correndo dali. Mas as coisas começam a mudar quando ela recebe um antigo diário da mãe. Nele, a menina embarca em uma misteriosa história de amor, que pode explicar suas próprias origens. No meio desse turbilhão de emoções, Lina ainda conhece Ren e Thomas, dois meninos lindos que vão mexer ainda mais com seu coração. Uma trajetória que fará Lina descobrir o amor, a si mesma e também aprender a lidar com a perda. Amor & gelato é uma deliciosa viagem pelos mais românticos pontos turísticos italianos, com direito a tudo de mais intenso que o lugar tem a oferecer: desde paixões até corações partidos.
Eu comecei a desejar esse livro quando descobri que ele se passava em Florença, um das cidades que eu mais quero conhecer no mundo, sou completamente fascinada pela Itália. Eu tinha certeza que iria me apaixonar por esse livro, não tinha como ser diferente. 

Amor & Gelato conta a história de Carolina, mais conhecida como Lina, uma jovem que acaba de perder a mãe, que faleceu vítima de um câncer. Lina agora tem a missão de realizar o último pedido de sua mãe, que ela fosse para a Itália conhecer seu pai. E quando ela menos espera, ela esta desembarcando na região da Toscana e morando numa casa que fica dentro de um cemitério que serve de memorial de soldados americanos da Segunda Guerra Mundial. 

Tudo ao redor de Lina é completamente encantador, mas ela só consegue pensar em um jeito de ir embora. Ao longo dos seus primeiros dias ela já vai arrumando motivos para adiar sua partida, aparentemente sua mãe deixou um antigo diário para ela, algo que pode explicar seu passado. Isso sem falar nos novos amigos que ela acaba de fazer Ren e Thomas, dois lindos meninos que começam a mexer com seus sentimentos. 



Esse livro foi uma leitura muito deliciosa, o meu maior sonho é conhecer a Itália, mais especificamente Veneza e Florença, e foi maravilhoso poder conhecer um pouquinho mais sobre Florença, confesso que anotei todos os pontos turísticos mencionados nos livros, alguns eu já conhecia por pesquisa própria, mas outros eu anotei para olhar depois. Me senti dentro da cidade, senti aquele frio na barriga toda vez que Lina ia conhecer algum lugar famoso. 

A narrativa é incrível, a leitura flui tão rápido que eu comecei a ler o livro de uma maneira muito despretensiosa, eu pretendia ler apenas algumas páginas antes de dormir, mas quando eu percebi já estava terminando o livro. Amei tudo, os personagens, a ambientação, o enredo criado, as amizades, as confusões. O livro é bem adolescente e ao mesmo tempo muito maduro.

Escrevo a resenha até com certa dificuldade, o livro teve tantas referências legais que é difícil não contar o livro inteiro. As histórias de amor presente no livro também me conquistaram e juro que eu não acharia ruim se ele tivesse o dobro de páginas, amei ler sobre o passado da mãe de Lina e por mim poderia ter muitos mais trechos. 

Enfim, é um livro muito incrível. Vale muito a pena conferir, é aquele tipo de livro que você vai ler em uma sentada. Apenas leiam esse livro e depois me contem. A capa é linda e tem tudo a ver com o livro.